Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 15 de junho de 2021
Busca
Brasil

Substitutivo que proíbe petrechos atrasa votação da lei da pesca

4 Nov 2009 - 13h22Por Mídia Max

 

Um substitutivo ao polêmico projeto de lei que disciplina a pesca nos rios de Mato Grosso do Sul retardou a votação da matéria na CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) que seria hoje e coloca em risco à apreciação da proposta em plenário ainda este ano, como queriam seus defensores.

A nova proposta, de autoria do deputado Paulo Corrêa (PR) proíbe o uso de petrechos nos rios de domínio estadual. O projeto de lei que já estava pronto para a votação na comissão libera o uso de instrumentos para a pesca no Estado. Corrêa que preside a Comissão de Meio Ambiente na Casa é o mais ferrenho opositor da liberação dos petrechos e promete usar todos os meios para impedir a aprovação do texto original.

O uso de petrechos, para Corrêa, representa a retomada da pesca predatória no Estado. Mas, para as colônias de pescadores o uso dos instrumentos é necessário para garantir a sobrevivência das famílias.

O presidente da CCJC, deputado Júnior Mochi, que relatava o projeto original da lei da pesca bem como as 59 emendas que a matéria recebera, avocou também a relatoria do substitutivo. Mochi defende o texto e já havia elaborado um parecer favorável a ele.

Antes de Paulo Corrêa, o presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos já havia apresentado uma sugestão de alteração no uso dos petrechos. Jerson propôs uma emenda para estabelecer, o que ele chamou de meio-termo para a pesca.

Ele queria permitir o uso de petrechos, mas com restrições, estabelecendo quantidades de instrumentos menores do que as previstas no projeto original. Jerson queria definir ainda os locais onde poderiam ser utilizados e quais ficariam vedados para pescaria com petrechos.

Mas, para Corrêa, tal medida não é suficiente. Ele quer proibir o uso dos instrumentos.

No texto do Executivo o uso dos petrechos está previsto da seguinte forma: 20 petrechos conhecidos como "joão de bobo" para cada pescador; 5 baias fixas e 15 anzóis de galho, igualmente para cada trabalhador.

Portaria do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) já autoriza o uso dos petrechos, porém não prevê limites - a exceção é o anzol de galho, já que, conforme a decisão do Ibama, cada pescador pode utilizar até 20.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado
ANTECIPAÇÃO
Governo antecipa pagamento de parcelas do auxílio emergencial
918d8b7fa56ee0a828ae4ad908fedeb3 ATENTADO AO PUDOR
Casal é flagrado fazendo sexo em plena praça pública no dia dos Namorados
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem morre após desviar de buraco e cair com carro em córrego
+ AUMENTO
Gás de cozinha fica mais caro a partir desta segunda feira, 14
CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal