Menu
SADER_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Receita fecha cerco aplica R$ 88 milhões em multas

7 Jul 2004 - 15h35

A Receita Federal fechou o cerco aos sonegadores e autuou, entre janeiro e junho deste ano, 100 contribuintes em Mato Grosso do Sul, aplicando um total de R$ 88 milhões em multas, sendo R$ 82 milhões para pessoas jurídicas e R$ 6 milhões para pessoas físicas. Os valores das multas aplicadas este ano são superiores aos R$ 83,1 milhões de janeiro a maio do ano passado, segundo informou o delegado-substituto da Receita Federal em Campo Grande, Roberto Silva Júnior, explicando que os números de junho deste ano ainda são parciais.

O delegado explicou que o contribuinte ainda pode recorrer da medida até 30 dias após ser notificado pela Receita Federal, sendo que no caso ele pode pagar o que está sendo cobrado, entrar com pedido de impugnação (por discordar da multa) ou então requerer parcelamento do débito. “Se ele apresentar defesa a Receita não pode cobrar essa dívida até decisão, mas, caso ele não apresente defesa, não faça o parcelamento da dívida e não pagar o valor cobrado, a Receita encaminha a divida à Procuradoria da Fazenda Nacional para que ela faça a cobrança via judicial”, completa.

Roberto Jr. acrescenta que, em casos em que o fato caracteriza crime contra a ordem tributária, a Receita Federal faz uma representação para fins penais para que o MPF (Ministério Público Federal) possa, caso entenda que isso seja necessário, entre com uma ação penal contra o sonegador. Neste segundo semestre a Receita estará atenta e dará ênfase na fiscalização não só sobre empresas, mas também ao contribuinte pessoa física, especialmente os profissionais liberais, como médicos, dentistas, psicólogos, advogados, economistas, engenheiros, entre outros.

Ele explica que a estratégia usada pela Receita Federal para flagrar os sonegadores é o cruzamento das informações prestadas pelo contribuinte ao Leão. Apesar de considerar que boa parte dos sonegadores incorre no erro por vontade própria e não por desconhecimento do que é lícito ou ilícito, Roberto Jr. pede que o contribuinte, na dúvida, busque informações junta à Receita Federal ou ao contador, no caso de pessoa jurídica, para evitar que ele, por desconhecimento da legislação fiscal, incorra na violação.

 

Mídia Max News

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV