Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 21 de maio de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Zé Teixeira diz que verba da CPMF tem que ser carimbada

31 Ago 2007 - 09h46
Apesar de se posicionar contra a prorrogação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), o deputado estadual Zé Teixeira (Democratas) diz que a verba do chamado imposto do cheque deveria ser carimbada, na eventualidade de o Congresso Nacional aprovar a sua reedição para 2011, como pretende o Palácio do Planalto. 
 
Na prática, Zé Teixeira deseja que o dinheiro arrecadado com o imposto tenha finalidade específica, ou seja, seja investido realmente no setor de saúde pública do País.
 
O deputado vê com tristeza a possibilidade de prorrogação da CPMF, lembrando que o imposto foi criado pelo então ministro Adib Jatene (Saúde) com uma finalidade e hoje o governo federal usa o dinheiro em outros setores. No entanto, defende que os congressistas deveriam aprová-la desde que os recursos sejam investidos em hospitais e em outros setores ligados à saúde pública.
 
“Hoje, você vê os hospitais fechando, as pessoas correndo, esta semana, em Alagoas, quantas pessoas morreram de infecção hospitalar. Eu lamento eles criarem e deixar esses recursos a bel prazer do presidente para ele gastar em tapa-buraco, como ele está gastando um horror de dinheiro nas estradas brasileiras e o dinheiro está sendo jogado fora”, observou. 
 
MUNICÍPIOS
 
Zé Teixeira também é favorável que os parlamentares, já que a tendência é aprovar o imposto, destinem uma cota-parte da CPMF às prefeituras.
 
Segundo ele, hoje os prefeitos enfrentam dificuldades na saúde, porque tem muitas prefeituras que não têm como atender os pacientes e são obrigadas a manda-los para outros municípios.
 
“Dourados, por exemplo, uma cidade-polo, você tem ouvido falar a dificuldade, fala até na possibilidade de o Hospital Evangélico não atender mais pelo SUS (Sistema Único de Saúde) porque como é que vai entender com uma consulta de R$1,80, então podia repassar esse dinheiro (CPMF) para as prefeituras também, que eu acho que merecem, desde que carimbado, especificamente  para saúde”, defende.
 
O que é CPMF
 
Criada em 1996, a CPMF surgiu com alíquota de 0,20% sobre todas as movimentações financeiras. O dinheiro seria usado exclusivamente para cobrir gastos com a saúde. Na primeira prorrogação, o governo aumentou a mordida para 0,38%, destinando a diferença para a previdência social.
 
Em 2001, parte dos recursos passou a alimentar o Fundo Nacional de Combate à Pobreza. Apesar de temporária, nunca se cogitou seriamente de sua extinção.
 
Na quarta-feira 15, o governo conseguiu aprovar na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara a prorrogação da CPMF por mais quatro anos.
 
A contribuição provisória, que representa 8% da arrecadação, está mais permanente do que nunca. Em vez de extingui-la, os congressistas tentam fatiála entre Estados e municípios. A CPMF retirou R$ 284 bilhões da sociedade desde 1993, conforme as contas do próprio governo.
 
 
 
Fátima News

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSIDADES
Com quadro de AVC, Agnaldo Timóteo é internado na Bahia
MONSTRUOSIDADE
Pai bate em bebê até a morte por ela ter nascido menina
HOMICIDIO - MISTÉRIO
Filho de 9 anos encontra pai morto no banheiro de casa
REENCONTRO
Filhos reencontram mãe em asilo depois de 54 anos
EXPLORAÇÃO SEXUAL
Casal é preso por abusar sexualmente de 14 adolescentes, atraídos por emprego
LESÃO CORPORAL
Com ciúmes, mulher queima marido com ferro de passar
FORAGIDOS
Homens encapuzados incendeiam ônibus do transporte coletivo
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
O Boticário apresenta versões de Creme Acetinado da perfumaria de Botica 214 em Fátima do Sul
CAMPO BELO RESORT - FERIADÃO DE JUNHO
Campo Belo Resort com pacote especial para o feriadão de Corpus Christi, confira e faça sua reserva
MÁ SORTE
Morador do PR diz ter acertado os números da Mega-Sena acumulada, mas caixa não registra cartão