Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 22 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Zé Teixeira diz que verba da CPMF tem que ser carimbada

31 Ago 2007 - 09h46
Apesar de se posicionar contra a prorrogação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), o deputado estadual Zé Teixeira (Democratas) diz que a verba do chamado imposto do cheque deveria ser carimbada, na eventualidade de o Congresso Nacional aprovar a sua reedição para 2011, como pretende o Palácio do Planalto. 
 
Na prática, Zé Teixeira deseja que o dinheiro arrecadado com o imposto tenha finalidade específica, ou seja, seja investido realmente no setor de saúde pública do País.
 
O deputado vê com tristeza a possibilidade de prorrogação da CPMF, lembrando que o imposto foi criado pelo então ministro Adib Jatene (Saúde) com uma finalidade e hoje o governo federal usa o dinheiro em outros setores. No entanto, defende que os congressistas deveriam aprová-la desde que os recursos sejam investidos em hospitais e em outros setores ligados à saúde pública.
 
“Hoje, você vê os hospitais fechando, as pessoas correndo, esta semana, em Alagoas, quantas pessoas morreram de infecção hospitalar. Eu lamento eles criarem e deixar esses recursos a bel prazer do presidente para ele gastar em tapa-buraco, como ele está gastando um horror de dinheiro nas estradas brasileiras e o dinheiro está sendo jogado fora”, observou. 
 
MUNICÍPIOS
 
Zé Teixeira também é favorável que os parlamentares, já que a tendência é aprovar o imposto, destinem uma cota-parte da CPMF às prefeituras.
 
Segundo ele, hoje os prefeitos enfrentam dificuldades na saúde, porque tem muitas prefeituras que não têm como atender os pacientes e são obrigadas a manda-los para outros municípios.
 
“Dourados, por exemplo, uma cidade-polo, você tem ouvido falar a dificuldade, fala até na possibilidade de o Hospital Evangélico não atender mais pelo SUS (Sistema Único de Saúde) porque como é que vai entender com uma consulta de R$1,80, então podia repassar esse dinheiro (CPMF) para as prefeituras também, que eu acho que merecem, desde que carimbado, especificamente  para saúde”, defende.
 
O que é CPMF
 
Criada em 1996, a CPMF surgiu com alíquota de 0,20% sobre todas as movimentações financeiras. O dinheiro seria usado exclusivamente para cobrir gastos com a saúde. Na primeira prorrogação, o governo aumentou a mordida para 0,38%, destinando a diferença para a previdência social.
 
Em 2001, parte dos recursos passou a alimentar o Fundo Nacional de Combate à Pobreza. Apesar de temporária, nunca se cogitou seriamente de sua extinção.
 
Na quarta-feira 15, o governo conseguiu aprovar na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara a prorrogação da CPMF por mais quatro anos.
 
A contribuição provisória, que representa 8% da arrecadação, está mais permanente do que nunca. Em vez de extingui-la, os congressistas tentam fatiála entre Estados e municípios. A CPMF retirou R$ 284 bilhões da sociedade desde 1993, conforme as contas do próprio governo.
 
 
 
Fátima News

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação