Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 22 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Taxas de investimento e poupança crescem, diz IBGE

29 Jun 2004 - 13h26
O Produto Interno Bruto (PIB), medido a preços de mercado, do primeiro trimestre de 2004 foi de R$ 387,7 bilhões, sendo R$ 344,3 bilhões referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 43,5 bilhões a Impostos sobre Produtos, informou o IBGE nesta terça-feira.

As taxas de investimento e de poupança da economia brasileira tiveram forte melhora no primeiro trimestre deste ano, segundo as Contas Nacionais Trimestrais, divugadas hoje de manhã pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de investimento saiu de 18,7% do PIB no primeiro trimestre do ano passado para 19,3% agora. E a taxa de poupança chegou a 23,4% do PIB, contra 21,1% no primeiro trimestre de 2003.

Segundo Carlos Sobral, gerente de Contas Trimestrais do IBGE, o aumento na taxa de investimento é um reflexo da retomada do crescimento. Sobral citou os setores de bens de capital (máquinas e equipamentos) e de bens de consumo duráveis como exemplos de melhora na atividade econômica. E destacou que a taxa de investimento vem crescendo de forma contínua nos últimos trimestres. Apesar disso, segundo o técnico do IBGE, o atual patamar de investimento (19,3% do PIB) ainda precisa subir para o país alcançar os 3,5% de crescimento econômico previsto para este ano.

- O crescimento de 3,5% embute uma taxa de investimento acima do que ocorreu no primeiro trimestre. Mas o fundamental é que essa taxa está crescendo - afirmou.

No último trimestre do ano passado, a taxa de investimento fora de 18,2% do PIB e a taxa de poupança, de 17,5% do PIB. Mas, segundo Sobral, há um aumento de consumo sazonal no fim do ano, devido ao Natal. Por isso, a poupança tende a ser menor nesse período.

Entre os componentes da demanda, no mesmo período, o Consumo das Famílias totalizou R$ 221,6 bilhões, o Consumo do Governo R$ 64,7 bilhões e a Formação Bruta de Capital Fixo R$ 74,8 bilhões. A Capacidade de Financiamento da Economia Nacional ficou em R$ 5,2 bilhões no primeiro trimestre de 2004, ou seja, um aumento de R$ 4,7 bilhões se comparado a igual período de 2003 (Capacidade de Financiamento de R$ 0,5 bilhão).

Esse aumento, informou o IBGE, deveu-se, principalmente, ao resultado positivo do Saldo Externo Corrente, que foi de R$ 4,6 bilhões.

A Balança de Bens e Serviços ficou superavitária em R$ 15,5 bilhões, pois o Brasil exportou R$ 65,2 bilhões e importou R$ 49,8 bilhões no primeiro trimestre. A Variação de Estoques foi de R$ 11,2 bilhões.

O IBGE informou ainda que no primeiro trimestre de 2004 foram registrados R$ 7,9 bilhões de investimentos estrangeiros diretos, contra R$ 10,7 bilhões no trimestre anterior e 6,9 bilhões primeiro trimestre de 2003.

A captação líquida de recursos do resto do mundo atingiu cerca de R$ 3,7 bilhões no trimestre. No mês de janeiro, com o risco país em torno de 400 pontos, a captação foi maior, principalmente através de emissões, no exterior, de Bônus da República.

"Com a volatilidade do risco país nos meses de fevereiro e março, oscilando em torno de 550 pontos (média), houve redução de captação externa. O primeiro trimestre caracterizou-se ainda pela manutenção da taxa básica de juros em torno de 16,5% ao ano", justificou o IBGE no comunicado divulgado nesta terça-feira.
 
Globo On Line

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Menina de 7 anos é atacada por pitbull e morre na casa dos avós
CRIMINOSO FORAGIDO
Ataque com machadinha deixa alunos e professora feridos em escola
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
CONFISSÃO
Filhos investigam e descobrem que pai matou a mãe há 37 anos
MAL SUBITO
Policial militar tem mal súbito e morre no mesmo dia que descobriu que seria pai
NOVELA GLOBAL
Régis oferece vender loja para dar dinheiro a Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade