Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 13 de dezembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Secretário de Governo deu início à operação que prendeu o prefeito

1 Set 2010 - 10h02Por Diário MS

O secretário de Governo de Dourados, o jornalista Eleandro Passaia, foi quem deu início à Operação Uragano (furacão em italiano) desencadeada nesta manhã pela Polícia Federal e que resultou na prisão do prefeito Ari Artuzi (PDT), da primeira-dama Maria Freitas, de 8 vereadores e 5 secretários municipais, além de empresários e prestadores de serviço à prefeitura.

De acordo com relato feito ao radialista Antonio Coca, da rádio Grande FM, o secretário de Governo decidiu procurar a Polícia Federal e denunciar esquema de corrupção, recebimento e pagamento de propina. Ele estava inconformado com determinações feitas pelo prefeito.

A partir daí, com seu consentimento, seu telefone celular foi grampeado e ele começou a agir, gravando entrega de propina para vereadores. Os vídeos estão em poder da Polícia Federal.

Eleandro Passaia pretende conceder entrevista amanhã. O Diário MS apurou que ele não quer ser comparado a episódio semelhante ocorrido no Distrito Federal.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede