Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 15 de julho de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Doenças tropicais negligenciadas afetam 1 bilhão de pessoas

8 Nov 2010 - 07h34Por Agência Fiocruz

Doenças tropicais, geralmente negligenciadas, como o mal de Chagas, a lepra, a dengue e a leishmaniose, ainda afetam cerca de 1 bilhão de pessoas em 149 países do mundo, mas de forma “silenciosa”, segundo relatório divulgado Organização Mundial da Saúde (OMS).

O Brasil é apontado no relatório como tendo incidência da maioria das 17 doenças tropicais listadas, que podem causar problemas como cegueira, úlceras e cicatrizes, dor severa, deformidades e danos em órgãos e no desenvolvimento físico e mental do paciente.

O relatório afirma que o controle desses males, mais comuns em áreas rurais e em favelas urbanas, é “viável”.

O presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, participou da reunião da OMS.

A OMS pede a continuação da ajuda de empresas farmacêuticas no controle das doenças, recomenda que os sistemas públicos de saúde fiquem atentos a mudanças nos padrões das doenças por conta de fatores climáticos e ambientais e sugere a coordenação entre agentes de saúde pública e agentes veterinários – para controlar a incidência de raiva, por exemplo.

O órgão lista “sucessos” no controle de males, como a erradicação da doença conhecida como “verme da Guiné”, não por conta de vacinas, “mas por educação em saúde e por mudanças comportamentais”.

“Essas doenças debilitantes, às vezes horríveis, são muitas vezes aceitas como parte da vida das pessoas pobres”, diz Margareth Chan, diretora-geral da OMS.

“Mas estratégias podem quebrar o ciclo da infecção, da deficiência e da perda de oportunidades que mantém as pessoas na pobreza”.

Brasil e América Latina - O Brasil apresenta incidência de males tropicais como dengue, mal de Chagas, raiva, conjuntivite granulosa, leishmaniose, cisticercose, esquistossomose, tênia, hidática policística e “cegueira dos rios”.

O relatório diz que o Brasil vivenciou um aumento nos casos de leishmaniose desde 1999.

A doença, antes mais comum nas zonas rurais, “agora também aparece em áreas urbanas”, por conta da migração de pessoas do campo às periferias das cidades.

“No Brasil, os cães são o hospedeiro do parasita” da leishmaniose, que provoca, entre outros problemas, febre, fraqueza e anemia.

No caso da dengue, a OMS afirma que a doença ressurgiu na América Latina porque as medidas de controle não foram mantidas após a campanha para erradicar o Aedes aegypti, seu principal vetor, durante os anos 1960 e 70.

“Grandes surtos acontecem atualmente a cada três ou cinco anos”, afirma o relatório

Deixe seu Comentário

Leia Também

NÃO QUER QUE ELE USE
Mãe apaga narguilé do filho adolescente e leva chinelada
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que está apaixonado de verdade por Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
VAQUINHA VIRTUAL
Com dinheiro de vaquinha, morador de rua que ajudou idosa durante temporal no Rio compra casa
DURANTE MISSA
Padre Marcelo Rossi cai do altar após ser empurrado em missa
ASSASSINATO
Prefeito é morto a tiros por vereador após discussão
ATROPELAMENTO FATAL
Freira Franciscana coordenadora de catequese morre atropelada por carro
ASSASSINATO
Homem é morto na frente da filha de 11 anos por causa de dívida
MELHORES MOMENTOS
Santos vence e diminui diferença, Grêmio ganha de virada
CAMPO BELO RESORT - ATRAÇÕES DE JULHO
Circo Voar, tirolesa, arvorismo e diversos esportes radicais e muito mais no Campo Belo Resort
SUPERAÇÃO
Mulher supera agressões e se torna símbolo de determinação