Menu
SADER_FULL
domingo, 25 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
PARANAÍBA

Tribunal de Justiça mantém condenação a ex-prefeito de Paranaíba

31 Mai 2010 - 18h36Por Mídia Max

Por aparecer em material oficial, o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) manteve condenação ao ex-prefeito de Paranaíba, Manoel Roberto Ovídio (PR). O ex-secretário de Saúde da administração dele, Guilherme Bucalém também é penalizado no processo. Por maioria os desembargadores da 3ª Turma Cível rejeitaram na manhã desta segunda-feira (31)  recurso e negaram provimento à apelação do ex-prefeito nos termos do voto do relator. A decisão foi com o parecer da Procuradoria-Geral de Justiça.

Conforme apurado em inquérito civil, instaurado em junho de 2005 pelo MPE (Ministério Público Estadual), os dois citados contrataram duas empresas para confeccionarem um caderno informativo a fim de divulgar o trabalho da administração pública, mas também com objetivo de promover politicamente o prefeito, com diversas fotos dos agentes públicos.

MPF

O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), está sendo investigado no MPF (Ministério Público Federal) também por personificação de material público como a agenda distribuída aos alunos da rede estadual. Nela, consta uma fotografia do atual governador, pré-candidato à reeleição.

Paranaíba

Já em Paranaíba, o processo contra o prefeito e o secretário em 1º grau foi julgado parcialmente procedente para condenar Manoel Ovídio a restituir aos cofres públicos o valor pago pela impressão da propaganda; pagar multa no valor de duas vezes a sua remuneração mensal como prefeito e ficar impedido de contratar com o poder público ou receber incentivos pelo prazo de um ano. O secretário foi absolvido, pois a iniciativa da contratação das empresas foi feita apenas pelo prefeito municipal.

O prefeito recorreu sob alegação de nulidade de sentença por cerceamento de defesa; incompetência absoluta do juízo de 1º grau e ausência de interesse de agir.

Conforme o relator do processo, o desembargador Marco André Nogueira Hanson, não ocorre cerceamento de defesa em caso de improbidade administrativa, quando a prova documental pré-constituída é suficiente para demonstrar a existência do fato e seu autor.

O magistrado afirmou que as publicações e propagandas oficiais devem se revestir dos critérios de moralidade e impessoalidade. “Verificando-se que o prefeito, com dinheiro público, financiou propaganda de autopromoção em face das obras realizadas na sua gestão, ele deve ser condenado à restituição dos valores saídos dos cofres públicos e a multa também é pertinente”, finalizou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos