Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 15 de maio de 2021
Busca
Brasil

Tostão e Guarany criticam a falta de união entre músicos

10 Ago 2004 - 17h19

O gênero sertanejo foi amplamente enfocado e debatido em palestra realizada pela dupla Tostão e Guarany nessa segunda-feira (9) na Escola Cant'arte Educação Musical, situada à Rua Padre João Crippa, 1.736, Centro. Na ocasião, os palestrantes aproveitaram o momento para discutir, além da música sertaneja, a música regional local e disseram que a expansão dela só não toma proporções gigantescas porque existe uma certa desunião entre os músicos do Estado no sentido de querer caminhar individualmente e não estabelecer parcerias.

Neste contexto, os dois cantores também esclareceram que há exceções. Segundo Guarany, fatos positivos podem ser presenciados com a instalação de escolas de música no Brasil, afinal, as pessoas tem possibilidade de estudar toda a parte teórica da música e saber se realmente têm dom ou não para a música. "Antigamente nós tínhamos de provar que cantávamos. Era na garganta mesmo e não existia essa questão do cantor ter que saber estudar uma partitura e tal (....). Hoje temos faculdades, escolas e isso possibilita que saiam cada vez mais profissionais capacitados. Antes nossa escola era a vida mesmo", diz.

Na palestra direcionada a 15 pessoas, os cantores revelaram que os festivais realizados em outros tempos faziam valer a inserção de músicos bons no mercado fonográfico e simbolizavam a mais legítima expressão de qualidade em termos de composição e melodias. "Hoje em dia a música está banalizada em todos os segmentos.

Antes a música era tratada com maior intensidade e a musicalidade existente nos compositores e cantores era mais aflorada", avalia Tostão. Eles ainda explicam que a música regional feita em Mato Grosso do Sul vende, contudo, não toca nas rádios. "Falta uma maior divulgação de nossas músicas na rádio e acredito que isso faz com que os músicos locais se sintam desvalorizados", explicam os cantores que ainda exemplificam que o último CD da dupla João Haroldo e Betinho vendeu cerca de 60 mil cópias e só não vendeu mais devido a pirataria.

Sobre a pirataria, Guarany comunicou que o Fórum dos Músicos da Região entrou em contato com os vendedores ambulantes e fizeram acordo para que eles não mais vendessem cópias piratas de seus CDs. "Um CD gera um gasto de R$ 18 no mínimo. Nós já vendemos nossos CDs super baratos, ao preço de R$ 10 ou R$ 15. Pirateando, não temos lucro e nosso trabalho de qualidade que está no CD original deixa de ser conferido pelo público", alega.

Influências - Tostão adverte que para ele não existe música sertaneja, mas sim música raiz. O cantor justifica que a música raiz de Mato Grosso do Sul recebefortes influências da cultura dos bolivianos, paraguaios e chilenos. Um gênero muito presente na música raiz sul-mato-grossense é, sem dúvidas, o rasqueado.

A 'palinha' dos cantores ficou por conta das músicas Galopera, Estrada de Chão, Tardes Morenas de Mato Grosso, A Matogrossense, entre outras.

O casal Ceila Rondon e Teodoro Torres não se conteve e arriscou uma dança no meio da sala onde estava sendo realizada a palestra. Ela disse que a palestra foi muito válida e que deu para ampliar seus conhecimentos sobre o gênero sertanejo, ou melhor, raiz.

Para a diretora da Escola, Edineide Dias, a palestra inovou seus conceitos sobre o gênero e também serviu para promover um autoconhecimento entre os músicos e os alunos da Escola e acadêmicos do Curso de Música, além dos participantes de variados segmentos da sociedade e que tinham curiosidade sobre o estilo. "Palestras como estas servem para aprimorar mais nossos conhecimentos musicais", conclui Edineide.

 

 

Fátima News / João Humberto

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada