Menu
SADER_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Tite tenta domar "monstro" que ele criou no Corinthians

11 Ago 2004 - 14h12
Uma de suas criações incomoda Tite na partida de quarta-feira contra o Figueirense, às 21h45, em Florianópolis. O técnico quer colocar um freio nas fulminantes arrancadas do Corinthians ao ataque.

Desde que chegou ao clube, ele fez os jogadores abandonarem as lentas trocas de passes, que asseguravam a posse de bola por mais tempo. Essa maneira de jogar caracterizou a era vencedora de Carlos Alberto Parreira, que levou o time aos títulos do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil em 2002.

Porém depois do gol de empate do Botafogo, aos 42min do segundo tempo, no último domingo, o treinador quer que seu time saiba dosar essa rapidez. A idéia é adotar o estilo implantado por Parreira nos últimos minutos do jogo, se o resultado for favorável.

"Sempre vou incentivar os avanços rápidos. Isso é modernidade. Mas em alguns momentos precisamos trocar passes para quebrar o ritmo", afirmou ele.

Tite diz ter dados estatísticos que comprovam a eficiência das jogadas rápidas. "Um time tem entre oito e nove segundos para fazer um gol depois de retomar a bola. Se demorar mais que isso, não consegue marcar", disse.

Para ele, o fato de ter atletas que recentemente saíram da equipe júnior, como Betão e Édson, faz faltar paciência para conduzir a bola. "Estamos no auge de nossa virilidade. Por isso é difícil controlar nossa vontade de atacar o adversário", declarou Betão.

Com Tite, os corintianos trocam, em média, 280,5 passes por jogo. Sob as ordens de Oswaldo de Oliveira, a média era de 335,1 bolas trocadas, segundo levantamento feito pelo Datafolha.

A paciência que exige de seus jogadores no final das partidas, em caso de vantagem no placar, Tite demonstra com Marcelo Ramos.

Ele não marca gols há três meses, mas segue como titular. Se não fizer nesta quarta-feira, irá completar cem dias de jejum no sábado, contra a Ponte Preta, no Pacaembu.

O jogador disse que uma de suas principais dificuldades tem sido se desvencilhar das simpatias sugeridas por parentes e amigos para acabar com o jejum.

"Já me mandaram tomar banho de sal grosso e até mudar de religião, mas não fiz nada disso", afirmou o atacante, que é católico.

Fábio Costa e Valdson, suspensos, não jogam. Rubinho e Marcelo Oliveira entram no time.

No Figueirense, o lateral André Santos e o volante Jeovânio terão de cumprir suspensão.

FIGUEIRENSE
Édson Bastos; Paulo Sérgio, Márcio Goiano e Brida; Marcio Martins, Simplício, Mazinho e Fernandes; Izaías e Marlon.
Técnico: Dorival Júnior

CORINTHIANS
Rubinho; Anderson, Betão e Marcelo Oliveira; Édson, Wendel, Fabinho, Fábio Baiano e Renato; Marcelo Ramos e Gil.
Técnico: Tite

Local: estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC)
Horário: 21h45
Juiz: Fabrício Neves Correa (RS)
 
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV