Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 27 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Sem-terra se negam a desocupar fazenda do irmão de Renan

27 Jul 2007 - 14h10

O prazo dado pela Justiça estadual para a desocupação da fazenda Boa Vista, do deputado federal Olavo Calheiros (PMDB-AL), termina nesta sexta-feira, às 15 horas, mas os manifestantes se recusam a deixar a propriedade.

Os manifestantes se negaram a receber o termo de reintegração de posse do oficial de Justiça e exigiram documentos que provem que a propriedade pertence a Olavo Calheiros, irmão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB). 

O prazo de 24 horas foi estipulado na quinta, pelo juiz da Comarca de União dos Palmares, José Lopes Neto, ao decretar a reintegração de posse da fazenda, que tem 528 hectares e está ocupada por cerca de 400 famílias de sem-terra, desde terça-feira. Os sem-terra ocupam também a casa-grande e já mataram onze bois da fazenda para comer.

As lideranças dos sem-terra dizem que a fazenda Boa Vista foi adquirida de forma fraudulenta.

Já os advogados do deputado, alegam que a área é produtiva e não poderia ser invadida. Para eles, a ação dos sem-terra "é vandalismo" e fere a lei da propriedade privada.

Uma equipe de policiais do Centro de Gerenciamento de Crise da Polícia Militar de Alagoas, já está na fazenda, que fica em Murici, a 59 quilômetros de Maceió, para acompanhar a desocupação. O comando da PM quer a desocupação pacífica, mas não descarta o uso da força. Segundo informações extra-oficiais, pelos menos oito viaturas do Batalhão de Operações Especiais da PM (Bope), com cerca de 40 homens fortemente armados, já estariam de prontidão, para a operação despejo.

No entanto, os sem-terra se negam a desocupar a fazenda de 528 hectares. As lideranças dos quatro movimentos sociais que organizaram a ocupação da fazenda - MST, MTL, MLST e CPT - alegam que a desocupação está condicionada a negociação de uma pauta de reivindicações com a presidência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Na pauta das reivindicações estão os pedidos de investigação sobre a violência no campo e a grilagem de terras na região.

Documentos falsos 

O coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Carlos Lima, acusa a dona do cartório de Murici, Lourdes Ferreira, de falsificar documentos, certidões e escrituras para "legalizar" pelo menos cinco fazendas adquiridas pela família Calheiros, na região. O município de Murici é o principal reduto político do presidente do Senado, senador Renan Calheiros, cujo filho (Renan Filho - também do PMDB de Alagoas) é o prefeito do município, eleito em 2004, com a ajuda do pai. 

Antes dele, Murici foi administrado por Remi Calheiros, irmão do presidente do Senado, que esteve à frente da Prefeitura por dois mandatos seguidos. Os sem-terra acusam Remi de ter contratado jagunços para expulsá-los, em 2005, da Fazenda São Bernardo, que pertence a família Calheiros.

"Eles usaram jagunços encapuzados para expulsar nossos companheiros sem-terra dessa área, fazendo uso da força, ameaças de morte e espancamento", lembra o coordenador da CPT em Alagoas.

Agência Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

BARBÁRIE
Marido mata mulher a facadas dentro de casa durante almoço de domingo
CAPOTAMENTO
Carro capota várias vezes ao fazer curva na MT-412 e mata fotógrafo
BRASIL - 157.134 MORTES
Brasil acumula 5,3 milhões de casos e 157 mil mortes por covid-19
AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga 2ª parcela de R$ 300 da extensão do auxílio emergencial
SIM A VIDA
Brasil se une a Egito, Indonésia, Uganda, Hungria e EUA em declaração contra o aborto
Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários