Menu
SADER_FULL
terça, 7 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Saúde quer aumentar índice de amamentação no Brasil

15 Set 2004 - 14h01
A solidariedade é o que leva muitas mulheres a doar leite materno. Lidiane Antunes Silva tem um bebê de 17 dias. Ela produz muito leite e quando ficou internada no Hospital Regional de Taguatinga, no Distrito Federal, para ter o bebê, viu que algumas crianças precisavam do alimento. “Eu resolvi doar porque tinha muito leite e acho um desperdício tirar o leite e jogá-lo fora, sendo que quando fiquei internada percebi que algumas crianças necessitavam dele para sobreviver”, conta.

A falta de informação e a cultura da alimentação artificial são os grandes obstáculos que as autoridades em saúde pública no Brasil enfrentam para conscientizar a mulher sobre a importância da amamentação. A opinião é da médica Sônia Salviano, coordenadora da Política Nacional de Aleitamento Materno do Ministério da Saúde. “Há uma grande falta de informação sobre o assunto e as indústrias que comercializam leite infantil divulgam que o leite artificial é melhor, quando nós sabemos que nada se compara à amamentação”, informa Sônia Salviano.

Ela informou ainda que o índice de amamentação no país é muito baixo. “A última pesquisa realizada em 1999, nas capitais e no Distrito Federal, indicou que as crianças brasileiras mamam exclusivamente no peito apenas 23 dias, em média, quando o recomendado é 180 dias. Quando é inserido outro tipo de alimentação, a criança brasileira mama apenas nove meses, quando o recomendado é dois anos ou mais”, afirma. Sônia Salviano lembra que a Semana Mundial da Amamentação pretende mudar esse quadro.

A coordenadora explica que o Brasil possui taxa de mortalidade infantil ainda considerada elevada e que a amamentação pode ser uma arma contra as doenças que atingem as crianças.
Destaca que o país tem uma das políticas públicas mais avançadas do mundo de promoção da amamentação. Segundo ela, o Brasil tem também uma grande rede de bancos de leite humano, que incentiva a amamentação e orienta a mulher como proceder em caso de dificuldades. “Nós temos esse grande diferencial, e isso pode ajudar a incentivar a amamentação no país, afirma.

Lidiane Antunes explica que na hora de tirar o leite para doar, adota todos os procedimentos recomendados pelo pessoal do Banco de Leite. “Eles aconselham a lavar as mãos até a altura dos cotovelos, usar luva e máscara e colocar o leite num vidro esterilizado”, acrescenta. Ela disse que também recebeu informações no Banco de Leite de como amamentar o seu bebê. “Eles me ensinaram que a criança deve colocar na boca toda a auréola do mamilo da mãe; minha filha estava fazendo de forma errada e pude corrigir”, afirma.

A filha de Elisângela Monteiro Oliveira tem um mês e 20 dias e está crescendo forte e sadia graças à ajuda das doadoras do Banco de Leite do Hospital Regional de Taguatinga. O bebê nasceu prematuro e seu leite não era suficiente para alimentá-lo. Por isso, uma vez por semana Elisângela vai ao hospital buscar 500 ml de leite materno para complementar a alimentação da filha. “Uma vez por semana eu passo no hospital e pego 500 ml. O leite está congelado, quando vou usá-lo descongelo em banho-maria. Minha filha nasceu com sete meses de gestação, tenho pouco leite, mas faço a complementação com o alimento que recebo do Banco de Leite”, explica.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

PRESIDENTE NA LINHA
Bolsonaro está com sintomas de covid-19 e aguarda resultado de exame
CICLONE BOMBA
Efeitos do Ciclone: mais de 12 mil residências ainda estão sem energia elétrica
LIVE
Mulher de Porchat não foi a única: veja outros casos de nudez em lives
ECONOMIA
Nova gasolina a partir de agosto; combustível será mais caro, mas deixará veículos mais econômicos
SOS EDUCAÇÃO
Sem computador e sem dinheiro, alunos de baixa renda desistem do Enem
ENTREVISTA NO SBT
Roberto Cabrini traz entrevista exclusiva com Frederick Wassef nesta segunda
100 AULAS
Ensino Público vive "apagão" na pandemia com alunos sem acesso às aulas on-line
BRASIL - 64.909 MORTES
País soma 1.604.683 casos confirmados de Covid-19 e 64.909 mortes pela doença.
VACINA CONTRA COVID-19
Dose da vacina contra a Covid-19 poderá custar R$ 22
APLICATIVO - TECNOLOGIA
Como a Binomo Funciona no Modo App Em 130 Países, Inclusive para Residentes Brasileiros