Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Ritmo lento da Cide agrava queda na receita das prefeituras de MS

20 Jul 2010 - 11h45Por Conjuntura Online
O baixo repasse da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) no último trimestre acentuou ainda mais a queda da receita das prefeituras de Mato Grosso do Sul.
 
A fraca transferência de cotas como parte do imposto - que incide sobre a comercialização de combustíveis – é mais um componente preocupante nesse momento de instabilidade econômica das prefeituras, que amargam sucessivas quedas do FPM (Fundo de Participação dos Municípios).
 
Este mês, o repasse da Cide para divisão entre as 78 prefeituras do Estado foi de R$ 2.330.849,30, inferior à transferência feita em abril, que fechou em R$ 2.727.006,37.
 
No primeiro mês do ano, as prefeituras ratearam R$ 2.722.149,00.
 
Criado em maio de 2001, o imposto do combustível é distribuído pela União aos Estados trimestralmente até o oitavo dia útil do mês subseqüente ao do encerramento de cada trimestre. 
 
O governo de Mato Grosso do Sul tem uma cota de 2,72% da receita nacional da Cide, a quem compete depositar na conta corrente das prefeituras valores correspondentes a cada trimestre do ano.
 
Por lei, os municípios têm direito a 25% do total que a União repassa para o Tesouro Estadual.
 
O curioso para esta queda na cota das prefeituras é que a Receita Federal atesta que a Cide registrou alta de 191,02% para R$ 3,666 bilhões no primeiro semestre deste ano, comparada ao mesmo período do ano passado (R$ 1,260 bilhão).
 
De acordo com dados da Receita Federal divulgados na semana passada, os especialistas acreditam que os aumentos se devem a volta da alíquota sobre os preços dos combustíveis e pelo aquecimento econômico.
 
Quando analisada a preços correntes, a Cide cresceu 203,73% de janeiro a junho, ao passar de R$ 3,631 bilhões, nos primeiros seis meses de 2010 para R$ 1,195 bilhão, em relação a janeiro a junho de 2009, conforme a edição desta segunda-feira do jornal O Estado de São Paulo. 
 
Para o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), embora pareça insignificante a redução do repasse da Cide é preocupante, ainda mais quando os prefeitos se deparam frequentemente com previsões pessimistas em relação às receitas municipais, principalmente nas transferências constitucionais, como o FPM.
 
Do total de R$ 2,330 milhões transferidos em julho, Campo Grande recebeu R$ 489.353,75, valores inferiores aos R$ 572.525,55 obtidos em 13 de abril.
 
Dourados, que recebeu R$ 215.336,83 em abril, terá agora R$ 184.054,47.
 
Ao longo do ano de 2009, os municípios sul-mato-grossenses dividiram R$ 5,878 milhões como parte dos 25% a quem têm direito da verba que o Estado recebe da Cide.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada