Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 12 de abril de 2021
Busca
Brasil

PT pede cassação de Bela Barros

28 Set 2004 - 15h46

O Partido dos Trabalhadores, em Dourados, pede a cassação da candidatura de Bela Barros, da Coligação Dourados de Todas as Cores. A assessoria jurídica do PT também entrou com uma ação contra o proprietário da rádio 94 FM, o ex-deputado federal Marçal Filho (PMDB) e contra o proprietário do jornal AgoraMS, Marco Munarin, sob a acusação de abuso de poder econômico. A ação foi aberta no cartório da 18ª Zona Eleitoral.

Segundo a assessoria, a  rádio 94 FM estaria desrespeitando a distribuição dos comerciais do candidato Laerte Tetila (PT) no horário eleitoral gratuito, diminuindo e mudando o tempo de veiculação, conforme informações do advogado Bruno Ferreira. O jornal AgoraMS, estaria veiculando apenas matérias favoráveis à candidata Bela Barros e ignorando e publicando notícias difamatórias contra o candidato Tetila. A candidata é acusada de pagar para a divulgação das informações. As informações são do Dourados Agora.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV