Menu
SADER_FULL
terça, 26 de outubro de 2021
Busca
Brasil

PSDB acusa PF e Ministério de esconderem informações

28 Set 2006 - 10h54
O presidente do PSDB, Tasso Jereissati, e o senador Heráclito Fortes (PFL-PI), se reuniram hoje com o presidente do Banco Central para esclarecer informações sobre a origem do dinheiro envolvido na compra do dossiê. "Eu considero estranhíssimo que a Polícia Federal não tenha até hoje pedido ajuda de informações ao Banco Central para solucionar este caso. O que me leva a crer que a Polícia Fedeal já sabe, mas que por alguma razão está sendo coagida a não informar. A minha razão é questão eleitoral. A outra razão é que não quer dividir essa informação com o Banco Central", disse Jereissati.

Para Jereissati, Henrique Meirelles, afirmou que nada foi solicitado ao Banco Central nem pela Polícia Federal, nem pelo Ministério da Justiça. Meirelles esclareceu ainda que o BC não tem condições de afirmar hoje se os dólares poderiam ajudar nas investigações, mas não o fez por pura falta de solicitação. "Isso é um absurdo, é um escândalo e eu acho que o Ministro da Justiça deve responder hoje sobre isso. Se ele não responder isso hoje, ele está claramente dando uma demonstração que não está sendo republicano", afirmou

Segundo o tucano, as investigações estão sendo conduzidas apenas pela Policia Federal, sem nenhuma articulação com o Banco Central. As últimas informações obtidas do Banco Sofisa levam a crer que a Policia Federal chegou a esses dados por outros meios e não via Banco Central.

O senador Tasso Jereissati ressaltou sua estranheza com o fato da instituição não estar agido em cima do Banco do Brasil, já que há provas suficientes contra o diretor do BB (Expedito Veloso). "Eu acho estranho que alguém de uma instituição financeira como Banco do Brasil faça parte da inteligência de um partido. Para ele, isso coloca em xeque o próprio Banco do Brasil. O aparelhamento do Banco está comprometendo uma das instituições mais importante do sistema financeiro. Nós pedimos ao Banco Central que tome medida cabíveis no caso". Como resposta, Meirelles que se as denúncias forem comprovadas, serão investigas.

Na segunda-feira, a Polícia Federal enviou ofício ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e ao Banco Central pedindo para agilizar a liberação do sigilo das agências bancárias em que foi sacado o dinheiro que seria utilizado para a compra de um dossiê incriminando os tucanos. Os petistas Valdebran Padilha e Gedimar Passos foram presos no último dia 15 com R$ 1,7 milhão em um hotel em São Paulo, que seria dado em troca do dossiê.

Ontem a Polícia Federal identificou Hamilton Lacerda, ex-coordenador de comunicação da campanha do candidato petista ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, como responsável por levar R$ 1,7 milhão a Gedimar Passos e Valdebran Padilha no hotel Íbis, na capital paulista, para a compra do dossiê com denúncias contra integrantes do PSDB.

A perícia realizada nas gravações do circuito interno do hotel mostram Hamilton Lacerda com uma mala nas imagens, mas a confirmação oficial ainda depende da conclusão da perícia.

 

Terra Redação

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Amem o estrangeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS