Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 16 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Professor, psicólogo, acusado de estupro é condenado a 20 anos

13 Jul 2010 - 16h30Por Mídia Max

O professor, psicólogo, acusado de estuprar duas mulheres no ano passado em Dourados, em um período de surto de crimes sexuais na cidade, foi condenado a 20 anos e dois meses de prisão. Acusado e preso desde novembro de 2009, Marcos Antonio Mauriense de Sá, 45, também era ex-agente penitenciário. Já tinha sido condenado por quatro outros estupros em Corumbá e estava em regime semiaberto.

A condenação foi proferida ontem pela juíza da 1ª Vara Criminal Dileta Terezinha.

Ele foi preso no dia 25 de novembro de 2009 e aguardava julgamento em uma das celas reservadas para os jacks [estupradores] do Presídio Harry Amorim Costa, naquela cidade.

Provas do crime

Segundo o promotor João Linhares Júnior [4ª promotoria], o testemunho das duas vítimas de violência sexual somado ao laudo do médico legista foram fundamentais para que houvesse a condenação. “Elas o reconheceram. Todas foram atacadas brutalmente e os laudos comprovaram. Ele [acusado] constrangeu e estuprou as vítimas que chegavam em casa sozinhas e eram surpreendidas”, relata o promotor, responsável pela acusação.

À Justiça, o acusado nega a prática de estupro.

Uma das vítimas também teve objetos da residência roubados após sofrer violência sexual, o que pesou também na condenação.

Ataques

A primeira vítima foi atacada no dia 13 de julho do ano passado. Recepcionista, com 34 anos, chegou à sua residência como de costume. Mas, ela não sabia que alguém já a vigiava.

Depois de passar por toda forma de humilhação, a vítima teve seu aparelho celular e palmtop roubados.

A outra, que levou o caso à polícia, era uma jovem casada, de 24 anos. Dezoito dias depois [31 de julho] de atacar a primeira mulher, a jovem que também foi observada durante alguns dias, acabou vítima de estupro.

“Tudo isso aconteceu em um período em que várias mulheres foram atacadas. Havia na cidade pânico e sentimento de terror. Elas chegavam em casa e o suspeito estava escondido dentro das residências, onde eram atacadas brutalmente”, diz o promotor.

Não foi possível saber se há mais vítimas de violência sexual em Dourados, ainda de acordo com Linhares Júnior.

Na casa de Sá foram encontrados remédios para o tratamento contra a disfunção erétil. Ele não era casado e os aspectos psicológicos dele não teriam sido apresentados pela defesa. Embora haja evidências, ele não confessou o crime.

Diante da morosidade da Justiça, o promotor disse ao Midiamax que houve sucesso no caso, pois os crimes aconteceram em julho de 2009, em novembro foi feita a prisão, no mês seguinte apresentada a denúncia e ontem, 12 de julho, ou seja, quase um ano depois veio a sentença. A decisão de Dileta Terezinha veio em um momento em que os crimes contra as mulheres como o da morte da arquiteta Eliane Nogueira e da modelo Eliza Samúdio têm chamado a atenção da Justiça brasileira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério
SEUS DIREITOS
Trabalhador afastado por Covid-19 tem direito a auxílio-doença do INSS
COM DESCONTOS
Veja as opções de pagamento do IPVA com desconto
CASA PRÓPRIA
Casa Verde e Amarela substitui Minha Casa Minha Vida com opção para renegociar dívidas e menos juros
FINALISTA LIBERTADORES
Santos atropela Boca Jr e terá o Palmeiras numa final Brasileira
TRAGÉDIA NA PONTE
Motorista morre após caminhão cair de ponte