Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 24 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Pesquisa indica fatores importantes sobre o controle eficaz da asma

13 Mar 2010 - 10h12Por ABN News
Levantamento avaliou o conhecimento de médicos e pacientes sobre a relação existente entre asma e rinite alérgica e resultou em um retrato atual que permite avaliar o impacto dessas doenças no dia a dia de milhões de pessoas

A pesquisa, desenvolvida pelo laboratório MSD, ouviu médicos e pacientes (pais de crianças com asma e pacientes adultos) de quatro capitais brasileiras - São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre e Brasília.

Segundo o levantamento, os médicos afirmaram que somente metade de seus pacientes tem a asma bem controlada, apesar do tratamento.

Entre os fatores que os médicos citam como principais barreiras para o controle eficaz da asma estão a baixa adesão ao tratamento e a falta de conscientização de pais e pacientes sobre a gravidade da doença. Esses fatores foram citados por 63% e 41% dos médicos entrevistados, respectivamente.

O estigma social associado ao uso de inaladores e nebulizadores, assim como a dificuldade de manuseá-los, também foram citados como fatores importantes para a falta de controle da asma.

Segundo 37% dos médicos entrevistados, as crianças são os pacientes com maior dificuldade de utilizar esses dispositivos, mas os adultos (29%) são os mais resistentes ao seu uso, devido ao estigma social que representariam.

Por outro lado, como fatores indicativos de que a asma está bem controlada, os médicos apontaram o pouco uso de medicamento de alívio (53%) e a redução do número de episódios de despertar noturno e de tosse e chiado (36% e 37%, respectivamente).

Além desses, os pacientes citaram a manutenção da capacidade de se exercitar e a redução do absenteísmo à escola ou ao trabalho também como fatores importantes para definirem sua asma como controlada (apontada por 44% e 26% dos respondentes, respectivamente)

"Quando falamos de controle da asma, estamos indo além do controle de desencadeadores, estamos nos referindo à implementação de tratamento e plano corretos para evitar a recorrência dos sintomas.

Estamos visando à qualidade de vida dos pacientes. As pessoas com asma podem e devem ser capazes de viver plenamente, tomando medidas para prevenir os sintomas", afirma a Dra. Zuleid Mattar, diretora da Associação Brasileira de Asmáticos (ABRA), regional São Paulo.

A pesquisa também objetivou avaliar o conhecimento de médicos e pacientes sobre a correlação entre asma e rinite alérgica. "Essas são duas doenças decorrentes da inflamação das vias aéreas e não raro ocorrem simultaneamente.

Segundo as diretrizes ARIA (Allergic Rhinitis and its Impact on Asthma), sabe-se que os sintomas de rinite alérgica tendem a piorar o quadro de asma e que a rinite deve ser considerada um fator de risco para o desenvolvimento da asma", complementa a médica.

O levantamento feito pela MSD retrata bem essa relação, ao mostrar que mais de 91% dos pacientes entrevistados apresentam asma e rinite alérgica concomitantes e que 88% deles sabem que a rinite alérgica pode agravar a asma.

A pesquisa ouviu 140 pessoas, sendo 60 médicos, 40 pais de crianças de 1 a 17 anos com asma e 40 pacientes adultos. Encomendado pelo laboratório MSD, o estudo foi realizado pela Target Marketing.

Preocupação dos pais
Sono interrompido. Aulas perdidas. Diversão adiada. Os pais de crianças com asma classificaram o impacto da doença na rotina dos filhos como o principal problema causado pelo mal, incluindo a difícil administração do medicamento e as limitações das atividades do filho por causa dos sintomas. Para 38% dos pais, identificar os agentes desencadeadores da asma é o maior desafio para controlar a doença.

As principais razões apontadas para a asma não controlada pelos pais estão relacionadas à adesão ao tratamento: 87% afirmam que o filho nem sempre toma medicamento e 29% acham que a difícil administração do medicamento afeta também.

"Os pais concordam com os médicos que a adesão ao tratamento é fator essencial no controle da asma de seus filhos e que sua participação nesse processo é fundamental. Ambos os grupos também concordam que o impacto da doença na vida dos filhos é a questão que mais traz preocupação para os pais", constata a Dra. Zuleid Mattar, que é também presidente do Conselho de Programas para a Asma e a Rinite (COPAR).

Para a especialista, o fator que precisa ser mais compreendido e discutido no consultório médico é a questão da diferença entre os desencadeadores da asma e as estratégias de controle dos sintomas. "

É muito importante entender que evitar os desencadeadores e utilizar o tratamento correto pode ajudar essas crianças a ter melhor qualidade de vida e uma infância normal, por meio do controle da doença. Quanto melhor for o controle do ambiente e quanto maior a adesão ao tratamento preventivo, menor a chance de o paciente sofrer crises."

Os tratamentos atuais disponíveis
Dentre os mais novos agentes para controlar a asma e a rinite, tanto em adultos como em bebês e crianças, o antileucotrieno montelucaste de sódio tem sido muito utilizado, em razão do bom perfil de segurança (provocando poucos efeitos colaterais) e facilidade de administração (em comprimido ou em grânulos orais para crianças acima de 6 meses, uma vez ao dia).

Além disso, é um dos poucos medicamentos que podem ser prescritos a crianças a partir de 6 meses de idade. O medicamento reduz a inflamação tanto da via respiratória superior quanto da inferior, evitando a ocorrência de novas crises de asma.

Ao contrário de broncodilatadores, é indicado para o controle da asma e não para o resgate do paciente durante a crise. O medicamento também é recomendado para o tratamento dos sintomas da rinite alérgica

Sobre a asma
A asma afeta de 100 a 150 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A prevalência na população pediátrica é de 15% a 20%, conforme dados do estudo epidemiológico International Study of Asthma and Allergies in Childhood.

O Brasil ocupa a 8ª posição no ranking de prevalência da doença. Até 2025, o número de asmáticos pode chegar a 450 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a American Academy of Allergy, Asthma and Immunology.

Nota da Redação - ABN NEWS não recomenda o uso de medicamentos e informa que a publicação desta matéria é destinada a classe médica.

Antes de usar qualquer medicamento consulte o profissional médico. O uso indiscriminado e mesmo moderado de drogas e medicamentos sem acompanhamento médico é prejudicial a saúde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada