Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

PAC multiplicou por cinco o número de balanças nas rodovias federais

29 Mar 2011 - 17h54Por Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes

Incluído no PAC – Programa de Aceleração do Crescimento em 2007, o Plano Diretor Nacional Estratégico de Pesagem, elaborado pelo DNIT em 2005, aumentou de 13 para 70 o número de postos de pesagem em funcionamento nos 57 mil quilômetros de extensão de rodovias federais não concedidas.

Com a garantia de recursos da ordem de R$ 261,4 milhões para a primeira etapa do plano, o PAC fez as balanças funcionarem de uma forma inédita, garantindo o maior número de postos em operação já registrado no país.

Por meio da concorrência pública 594/07 foram contratadas 13 empresas agrupadas em consórcios para operação, manutenção do sistema e instalação de dispositivos de apoio à pesagem, como câmeras que registram fugas e garantem imagens on-line das balanças.

A licitação que corresponde à primeira etapa do plano de pesagem incluiu 45 PPVs – Postos de Pesagem de Veículos fixos e 33 móveis. Os contratos são válidos por cinco anos.

Com os contratos assinados em julho de 2008, os consórcios colocaram novos postos em funcionamento a partir do começo de 2009 e atualmente, 70 PPVs estão em operação.

Um posto, na BR-116 na Bahia foi transferido para a ANTT, com a concessão da rodovia, Outros sete (dois em Minas Gerais, um em Pernambuco, três no Maranhão e um no Piauí) passam por ajustes de equipamentos.

Fator educativo

Durante o ano de 2010, cerca de 9,6 milhões caminhões e ônibus passaram pelos PPVs.

Deste total, 8,8 milhões foram avaliados pelas balanças de precisão, que executam a pesagem em baixa velocidade. Mais de 7% deles (676.239) levavam cargas acima dos limites permitidos pelo Código de Trânsito Brasileiro.

O excesso total foi de 625.707 toneladas, considerando a pesagem feita por “Eixo”, por “PBT” (Peso Bruto Total) e por “CMT” (Capacidade Máxima de Tração), de acordo com a legislação.

Os registros consideram os dados dos 70 postos que operaram nas rodovias durante todo o ano.

No ano anterior (2009), com 52 postos operando, passaram nas balanças de precisão 5,4 milhões de veículos e 8,5% deles (468.352) transportavam excesso de peso.

Cerca de 546.685 toneladas, também considerando os três modos de avaliação (Eixo, PBT e CMT).

Com 18 balanças a mais funcionando em 2010, a porcentagem de veículos com excesso de peso diminuiu em relação ao ano anterior.

Para o coordenador geral de Operações Rodoviárias, Luiz Cláudio Varejão, “isto é um indício de que o fator educativo dos PPVs está funcionando”.

Em sua avaliação, os transportadores vão adequando suas cargas dentro dos limites para não serem multados.

O coordenador ressalta que essa tendência pode ser bem analisada comparando o volume médio de excesso por veículo registrado nos dois anos.

Enquanto em 2009 o excesso médio por veículo foi superior a uma tonelada (1.167 kg), em 2010 ficou abaixo de uma tonelada (968 kg). “Uma redução de 17% na média de excesso registrada por veículo”, conclui.

Com o aumento de postos de pesagem, o número de veículos com excesso de peso nas estradas tende a diminuir.

Isto pode resultar em menos danos ao pavimento, menos gastos com manutenção e, acima de tudo, menos riscos de acidentes.

Funcionamento e custos

Os PPVs operam com equipamentos fixos (44) e móveis (33). Os postos com equipamentos fixos funcionam com balanças seletivas, que pesam o veículo a uma velocidade de 60 km/hora e balança de precisão (lenta).

Quando as primeiras indicam algum excesso, o veículo é direcionado para as balanças lentas, que podem precisar o peso das cargas.

Em alguns casos, de acordo com a lei, o DNIT efetua o transbordo e/ou remanejamento da carga excessiva.

No ano passado, isto ocorreu com 244.941 veículos. Já em 2009, 135.734 cargas foram remanejadas e/ou transbordadas.

O remanejamento faz a distribuição adequada da carga dentro do veículo, eliminando o excesso em algum eixo. Já com o transbordo, parte da carga é transferida para outro veículo.

Em 2009, foram investidos R$ 45,3 milhões nos contratos de operação das balanças. Em 2010, com o aumento do número de postos em operação, o valor chegou a R$ 69,3 milhões.

Segunda etapa

No mês de abril será lançado o edital de licitação para construção, instalação, manutenção e operação de mais 161 PPVs nas rodovias federais.

É a segunda etapa do Plano Nacional Estratégico de Pesagem. Com a nova licitação, o Governo não vai comprar balanças e sim contratar o serviço de pesagem. Os equipamentos de pesagem serão das empresas vencedoras da licitação.

Esse novo edital, avaliado em R$ 1,1 bilhão, busca inovações tecnológicas, inclusive no sentido de sistemas de pesagem mais modernos usados em vários outros países, como a pesagem em movimento.

O DNIT já analisa equipamentos deste tipo em convênio com a Universidade Federal de Santa Catarina.

Os testes acontecem na balança de Araranguá/SC (BR-101).

Deixe seu Comentário

Leia Também

GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar
tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro