Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Opositores avaliam em 112 número de mortos por protestos na Síria

23 Abr 2011 - 08h17Por Folha

Um total de 112 pessoas teria morrido na Síria nesta sexta-feira, no dia de protestos mais sangrento desde que começaram as manifestações contra o regime de Bashar al Assad, segundo números de ativistas da oposição.

O dado foi apresentado pelo grupo The Syrian Revolution em seu site da rede social Facebook, onde se inclui a identidade das 112 vítimas fatais. "A maioria dos nomes foi confirmada", acrescenta a mensagem.

Os números divergem de outros previamente divulgados, que oficialmente seriam de 88 vítimas.

Para hoje se esperam novas protestos durante os funerais das vítimas.

Segundo ativistas da oposição, algumas áreas de Damasco amanheceram cercadas pelo Exército e a polícia, enquanto na cidade central de Homs as autoridades rejeitam entregar os cadáveres a suas famílias até que estas digam à televisão que grupos de salafistas mataram seus filhos.

Não houve pronunciamentos do governo de Damasco sobre os distúrbios.

A agência oficial "Sana" informou sobre um ataque, na noite de sexta-feira, contra um posto militar na localidade sulina de Izraa, que terminou com oito mortos e 28 feridos, tanto do grupo atacante como entre os militares, mas sem precisar quantas vítimas de cada grupo.

Também noticiou a morte de dois policiais em um ataque de desconhecidos em Damasco e na cidade central de Homs.

Números confirmados

A violenta repressão das forças de segurança sírias aos protestos que pedem a renúncia do ditador al Assad deixaram ao menos 88 mortos nesta sexta-feira, número confirmado pela agência de notícias Reuters com base em relatos de ONGs de direitos humanos.

De acordo com a Reuters, uma lista com 88 nomes de vítimas dividida por cidades teria sido enviada à agência pelo comitê central das mais relevantes ONGs de direitos humanos com base na Síria.

A relação divulgada anteriormente citava ao menos 70 vítimas dos disparos das forças do governo sírio contra os manifestantes.

As ONGs Sawasiah, com sede na Síria, e o Comitê Sírio de Direitos Humanos, com sede em Londres haviam informado anteriormente que os confrontos tinham deixado 70 mortos.

As mortes ocorreram no distrito de Barzeh, em Damasco, e nos subúrbios de Zamalka, Harasta, Douma, Muadamiya, Qaboun e Hajar al Asswad, em torno da capital. Outros morreram nas cidades de Hama, Latakia, Homs, Hirak, Duma, e Ezra, na província de Deraa, no sul.

De acordo com o ativista Ammar Qurabi a maioria dos mortos foi baleada, e alguns outros morreram após inalarem gás lacrimogêneo.

Após indícios de que grandes protestos estavam organizados para esta sexta-feira, o governo montou logo pela manhã um forte esquema de segurança e diversas cidades começaram o dia já com a presença de policiais e militares nas ruas.

EUA E FRANÇA CONDENAM

Em reação ao dia mais sangrento da repressão síria aos protestos, o presidente americano Barack Obama pediu o fim "imediato" dos confrontos e condenou o "recurso ultrajante à violência" utilizado pelo governo de Al Assad pra conter as manifestações e apontou ajuda de Teerã a Damasco.

"Este ultrajante uso da violência para conter os protestos precisa ser interrompido imediatamente. Ao invés de ouvir seu próprio povo, Assad está culpando outros enquanto busca auxílio do Irã para reprimir os cidadãos da Síria por meio das mesmas técnicas brutais que já foram usadas pelos aliados iranianos", disse.

 

  Petros Karadjias/Associated Press  
Manifestante queima imagem do ditador Bashar al Assad em protestos em frente à Embaixada da Síria no Chipre
Manifestante queima imagem do ditador Bashar al Assad em protestos em frente à Embaixada da Síria no Chipre

Os comentários de Obama chegam pouco após o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, ter conversado com jornalistas durante um voo da comitiva presidencial entre a Califórnia e Washington.

Ele pediu que o governo sírio "interrompa e desista do uso de violência contra manifestantes" e "implemente as reformas prometidas".

A França também exigiu das autoridades sírias o fim do "uso da violência contra seus cidadãos" e a realização de reformas.

"As autoridades sírias devem renunciar ao uso da violência contra seus cidadãos", diz um comunicado da chancelaria francesa lido pela porta-voz Christine Fages.

"Apelamos ao início, sem demora, de um diálogo político inclusivo e que leve a reformas que respondam às aspirações legítimas do povo sírio. O fim do estado de emergência deve ser traduzido em fatos", acrescenta o texto.

REPRESSÃO SANGRENTA

Os protestos desta sexta-feira ocorrem apesar da decisão de Al Assad de derrubar o estado de emergência, em vigor no país há quase cinco décadas, e abolir os tribunais de segurança estaduais que operavam fora do sistema judiciário normal para julgar pessoas consideradas dissidentes.

O estado de emergência -- que estava em vigor desde o golpe de Estado de 1963-- dava "carta branca" aos órgãos de segurança para reprimir dissidentes por meio da proibição da aglomeração de mais de cinco pessoas, prisões arbitrárias e julgamentos a portas fechadas, dizem membros da oposição.

 

  Associated Press  
Manifestantes saem às ruas de Homs; ao menos 88 pessoas morrem durante confrontos
Manifestantes saem às ruas de Homs; ao menos 88 pessoas morrem durante confrontos

Os grupos que convocaram os protestos querem que a data seja celebrada com uma presença em massa nas manifestações que estão convocadas depois das orações das 12h das sextas-feiras, a celebração religiosa semanal mais importante para os muçulmanos.

O logotipo utilizado por um grupo do Facebook onde se concentram as informações dos ativistas da oposição tem uma cruz e uma meia-lua unidas, com as cores da bandeira síria, sobre a frase "Al Gomaa al Azimaa (Grande Sexta-Feira) -- 22 de abril".

De acordo com organismos de direitos humanos, cerca de 200 pessoas morreram desde que, em meados de março, se intensificaram os protestos políticos na Síria, que começaram em fevereiro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro
PROVA DO ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério
SEUS DIREITOS
Trabalhador afastado por Covid-19 tem direito a auxílio-doença do INSS