Menu
SADER_FULL
sábado, 12 de junho de 2021
Busca
Brasil

Mulheres são mais duras ao julgar vítimas de estupro, indica pesquisa

16 Fev 2010 - 06h38Por Folha Online

Uma pesquisa online realizada por uma organização britânica em Londres indica que as mulheres são mais duras ao julgar as vítimas de estupro do que os homens.

De acordo com o levantamento, a maioria das mulheres diz acreditar que algumas vítimas de estupro deveriam assumir responsabilidade pela agressão que sofreram.

A pesquisa foi realizada para marcar os dez anos da criação do serviço britânico Haven, que atende pessoas que sofreram estupro. O levantamento reuniu consultas a 1.061 pessoas --712 mulheres e 349 homens com idades entre 18 e 50 anos.

Entre os participantes, 71% das mulheres disseram que, se uma vítima teve relações sexuais com o estuprador antes de um ataque, ela deveria aceitar alguma responsabilidade no caso. Entre os homens, apenas 57% expressaram essa opinião.

Cerca de um terço das mulheres culpam a vítima que se vestiu de maneira provocante ou foi à casa do homem que acabou realizando o ataque para compartilhar uma bebida alcoólica.

Uma em cada dez pessoas entrevistadas diz não ter certeza se notificaria a polícia caso fosse estuprada, e 2% disseram que não levariam o caso às autoridades de forma alguma.

O principal fator apontado para não registrar a ocorrência é o constrangimento ou vergonha (em 55% dos casos), seguido pelo desejo de se esquecer da experiência traumática (41%) e pela resistência a ir a um tribunal em caso de julgamento (38%).

Segurança

A pesquisa sugere ainda uma atitude mais relaxada em relação à segurança. Quase a metade das pessoas dizem já ter ido para casa sozinhas por ruas de menor movimento. E uma em cada cinco afirma já ter ficado tão embriagada a ponto de não lembrar o que fez.

A gerente de um dos três postos da Haven em Londres, Elizabeth Harrison, defende que jamais deve haver uma desculpa para que uma mulher seja forçada a fazer alguma coisa que não quer.

"Claramente, as mulheres estão em uma posição em que precisam assumir a responsabilidade por si mesmas, mas o que quer que vistam ou façam não dá a ninguém o direito de estuprar", afirmou.

"É importante que as pessoas parem e pensem no que estão fazendo e verifiquem se a pessoa com quem estão tem disposição de fazer o que está propondo", acrescentou Harrison.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÓDIGO DE TRÂNSITO
Mudanças no código de trânsito brasileiro e suas implicações para motoristas
ESPORTE PELO MUNDO
Em fase artilheira no Cazaquistão, lateral Bryan, ex-Cruzeiro, valoriza presença e relacionamento
FOTO: Só Notícias / Luan Cordeiro / ASSESSORIA COPA AMÉRICA 2021 - NO BRASIL
COPA AMÉRICA: Confira as 06 Seleções que jogarão na Arena Pantanal
biden vacinas capa 696x487 SOLIDARIEDADE
Biden anuncia que vai mandar vacinas para o Brasil e outros países
FENÔMENO RARO
Junho tem Eclipse Solar, Lua de Morango e dia mais longo do ano
PROTESTOS PELO BRASIL
29M pelo fora Bolsonaro chegou a mais de 200 cidades e ganhou as redes sociais
ATENTADO AO PUDOR
Prostitutas exibem partes íntimas no meio da rua, moradores reclamam, Vídeos
NA BRONCA
Bolsonaro aciona STF contra decretos estaduais que impõem restrições para conter Covid-19
BARBÁRIE
Homem encontra partes do corpo do filho em rio
FENÔMENO RARO
Super Lua de Sangue e Eclipse total acontece nesta quarta