Menu
SADER_FULL
quinta, 2 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Mulher acusa escola estadual de racismo contra os filhos

6 Jul 2010 - 07h30Por Dourados News

Uma mulher de 44 anos acusa a Escola Estadual Delmira Ramos dos Santos, localizada no bairro Coophavila II, em Campo Grande, de praticar racismo contra seus dois filhos, uma adolescente de 15 anos e um garoto de 13. A denúncia de crime racial foi registrada no dia 28 de junho, em uma delegacia da Capital.

Conforme depoimento da mãe, os dois filhos estudavam a dois anos na escola. Por diversas vezes eles sofreram injúria por parte dos alunos do colégio, que usavam apelidos e xingamentos contra os irmãos, como: “o seu cabelo é feio pra fazer bombril”, “sua pele é pra fazer carvão”, “a carne pra fazer comida de porco”, “pretos fedidos”, “frango de macumba”, “urubu”.

Na verdade essa prática racista, também considerada uma forma de bullying – intimidação de alunos, através de xingamentos ostensivos e colocação de apelidos, além de força física –, era uma rotina diária enfrentada pelas crianças toda vez que entravam na escola.

A mãe relata que procurou a diretora da escola várias vezes, mas ela fazia pouco caso, de acordo com a ocorrência. Em uma das vezes, a diretora chegou a insinuar que o adolescente de 13 anos era bandido.

Como havia inércia por parte da escola em resolver o problema, a mãe dos dois adolescentes decidiu informar o caso à imprensa. Depois disso, a denunciante foi chamada pela diretora do estabelecimento de ensino para prestar esclarecimentos sobre esta atitude.

Em tom exaltado, conforme denúncia formulada pela mãe em boletim de ocorrência, a diretora começou a conversar em voz alta com a denunciante, momento em que a acusou de desacato.

Por causa de todo esse problema, a adolescente de 15 anos parou de frequentar a escola. No local só estuda o menino de 13 anos.

A reportagem do Campo Grande News entrou em contato com a escola, mas não obteve resposta.

Lei - Em Mato Grosso do Sul existe a lei 3.887, de 6 de maio de 2010, que dispõe sobre o programa de inclusão de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas instituições de ensino.

Pela lei promulgada, o programa consiste na capacitação de docentes e equipe pedagógica para a implementação das ações de discussão, prevenção, orientação, solução e inclusão de regras contra o bullying no regimento interno das escolas públicas e privadas sul-mato-grossenses.

Apesar de não haver números oficiais, a prática de atazanar colegas – muitas vezes confundida por pais e educadores com uma simples brincadeira – já envolve 45% dos estudantes brasileiros, segundo estimativa do Cemeobes (Centro Multidisciplinar de Estudos e Orientação sobre o Bullying Escolar), organização com sede em Brasília (DF). O índice está acima da média mundial, que variaria entre 6% e 40%.

Ranking - Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística) realizada nas capitais brasileiras mostra que Campo Grande ocupa a oitava posição no ranking com mais vítimas de bullying, com 31,4%.

À frente de Campo Grande estão Brasília (35,6%), Belo Horizonte (35,3%), Curitiba (35,2%), Vitória (33,3%), Porto Alegre (32,6%), João Pessoa (32,2%) e São Paulo (31,6%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2020
Câmara dos Deputados aprova em primeiro turno adiamento das eleições municipais de 2020
100 INTERMEDIÁRIO
Venda direta de etanol das usinas para postos pode aumentar concorrência, diz Bolsonaro
CICLONE BOMBA NO BRASIL
CICLONE BOMBA: Sobe para 10 o número de mortos no Sul do país, VEJA OS ESTRAGOS
FURIA DA NATUREZA
Ao menos nove pessoas morreram devido a ciclone que atingiu Região Sul
NOTÍCIA BOA - BORA COMPARTILHAR
Teste de vacina de COVID-19 funciona e Pfizer pode produzir 1 bi de doses
FÁTIMA DO SUL - INAUGURADO
Fátima do Sul é a escolhida para a 4ª Unidade do Posto Alvorada que comemora 20 anos de sucesso
COVID-19
Brasil tem 1.409.693 casos de Covid-19, aponta consórcio de veículos da imprensa em boletim das 8h
TORMENTA
Tempestade e ventos fortes causam destruição em cidade: “Parece filme de terror”
DIDI
Renato Aragão deixa a Globo, após 44 anos
+ 1.200 REAIS
Governo vai aceitar pagar mais duas parcelas de R$ 600 do auxílio emergencial