Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 23 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Juiz veta operação entre Prefeitura de Dourados e Sanesul

30 Out 2006 - 13h21

O juiz José Domingues Filho, da 6ª Vara Cível de Dourados, barrou a homologação de acordo entre a Prefeitura de Dourados e a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul S/A) relativa ao pagamento de dívida no valor de R$ 8,4 milhões. De acordo com a decisão judicial, a operação foi indeferida porque não tem indicativos de autorização prévia do Legislativo para a Prefeitura dispor do crédito público, como estabelece a legislação em vigor.

Conforme a ação de homologação de acordo, o Município de Dourados e a Sanesul solicitaram que o magistrado autorizasse o contrato celebrado entre as partes para a quitação do débito por serviços prestados pela empresa à Prefeitura, no valor total de R$ 8.421.686,49. Pelo acordo, o Município ofereceu pagar a dívida com parte do crédito que possui nos autos de uma execução de sentença contra a União, no valor de R$ 3.690.549,21, que aguardaria apenas a expedição do precatório por parte do governo federal.

Além de aceitar um desconto de R$ 4.731.137,28 sobre a dívida da Prefeitura e de aguardar a liberação de um precatório federal ainda pendente, a Sanesul ainda se compromete em pagar os honorários do advogado do Município, no valor bruto de R$ 698.812,83. O magistrado estranhou a operação e indeferiu a homologação, condenando a estatal a pagar 50% do valor das custas, apuradas sobre o valor global do contrato, por expressar o proveito econômico da causa.

Na decisão, José Domingues Filho alega que despesas públicas devem realizar-se em estrita consonância com o princípio da legalidade que, nos termos da Constituição Federal, impõe não só a autorização legislativa para a sua efetivação como, também, a fixação legal do valor. “Somente a abertura de créditos extraordinários independe de autorização legal prévia, porque se destina a atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública”, destaca.

O juiz acrescenta ainda que é preceito constitucional a autorização legislativa prévia da transposição, remanejamento ou transferência de recursos de uma dotação orçamentária para outra ou de um órgão para outro. “Daí a realização de despesa pública obedece a dispositivos constitucionais e legais, sendo certo que nenhuma, exceto as despesas extraordinárias, pode se realizar sem a correspondente previsão na lei orçamentária ou em créditos adicionais”, alega.

Ele acrescenta que no caso posto não se demonstra a existência de prévia autorização legislativa para disponibilidade do direito ao crédito público ofertado como dação em pagamento pela Prefeitura, nem de explicação municipal específica, denotando seu caráter excepcional. “Conjugando-se então, tais dados no luzido das premissas maiores dantes assentadas, chega-se ao concluimento de que a rejeição do pranto homologatório é medida que se impõe”, finaliza.

 

 

Mídia Max

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro