Menu
SADER_FULL
quarta, 23 de junho de 2021
Busca
Brasil

Hotéis flagrados com menores sem os pais podem fechar as portas

15 Out 2009 - 09h26Por TJ / MS

Publicada no Diário Oficial da União no início do mês, a Lei nº 12.038, de 1º de outubro de 2009, permite agora fechar motéis, hotéis e pensões flagrados com menores de idade desacompanhados dos pais ou sem autorização para estar no local.

A medida sancionada pelo presidente em exercício, José Alencar, cria o terceiro flagrante que possibilita fechar o estabelecimento. Até então, no primeiro flagrante, o local é multado e no segundo, interditado por 15 dias. O intuito é coibir a exploração sexual infantil, visto que muitos estabelecimentos acabam facilitando o acesso de menores.

De acordo com o texto da nova lei, que altera o art. 250 do Estatuto da Criança e do Adolescente, no terceiro flagrante é permitido o fechamento definitivo do local e a cassação da licença, caso seja comprovada a reincidência em período inferior a 30 dias.

Sobre a possibilidade da edição da medida contribuir, de fato, para coibir estes estabelecimentos de facilitar a exploração sexual de menores, a juíza titular da Vara da Infância, Juventude e do Idoso, Katy Braun do Prado, comenta que “a possibilidade de fechamento definitivo e cassação da licença, sem dúvida os incentivará a serem diligentes na identificação das pessoas que buscam os serviços que prestam e na recusa de criança ou adolescente desacompanhado dos pais ou responsável, pois é o próprio negócio que está em jogo”.

Além do fechamento do local, e demais sanções administrativas previstas como multa e cassação da licença de funcionamento, conforma a redação da referida lei 12.038, a magistrada esclarece que nestes casos a lei prevê que os estabelecimentos podem responder penalmente na justiça. Caso seja demonstrado que a criança ou adolescente foi submetido à exploração sexual, “a pena de reclusão de quatro a dez anos e a de multa será imposta ao explorador do menor e ao proprietário, gerente ou o responsável pelo local em que se verificou o crime, segundo o artigo 244-A, do ECA”.

E as consequências continuam, conforme complementa Dra. Katy Braun, isto porque existe ainda a questão da responsabilidade civil que é diversa da penal e da administrativa. Assim, “a vítima de exploração sexual pode propor uma ação de natureza civil para receber indenização pelos danos materiais e morais que sofreu”. Ainda segundo a juíza, a ação pode ser dirigida à pessoa que a explorou, ao proprietário, gerente ou responsável pelo local em que se verificou o crime ou então ao estabelecimento comercial como pessoa jurídica.

Embora, complementou a magistrada, “independentemente da iniciativa da vítima, segundo o art.387, IV do Código de Processo Penal, na própria sentença condenatória penal o juiz fixará valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, considerando os prejuízos sofridos pelo ofendido.

Como surgiu - A mudança foi proposta pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) sobre a Exploração Sexual. A expectativa dos envolvidos na criação da lei é ajudar a proteger cerca de 500 mil crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual em todo o país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

APOSTAS NO BRASIL
É legal apostar em esportes no Brasil?
CRIME BRUTAL
Mulher é encontrada morta com rosas, uma aliança nas mãos e frase cruel escrita na testa
TRAGEDIA
Casal é encontrado morto no banheiro com o chuveiro ligado
VEJA VÍDEO
Servidora não deixa lençol sujar com sangue de bandido e viraliza na internet
LUTO NA TV
Apresentador do Balanço Geral morre vítima da covid
COPA AMÉRICA
Com mudanças, Brasil encara Colômbia para garantir liderança do grupo
JOGOS ONLINE
Expectativas para legalização de jogos de azar movimenta mercado internacional
Policial
Criança de 6 anos sofre trauma de crânio após cair de atração no Beto Carrero World
DOSE ÚNICA
Avião com 1,5 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz ministro
REAÇÃO CERTEIRA
Mulher flagra filha sofrendo estupro e esfaqueia pedófilo