Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Em uma semana, 336 armas entregues em MS

23 Jul 2004 - 14h24
Desde que a Polícia Federal começou a receber as armas de fogo, obedecendo ao Estatuto do Desarmamento, as seis delegacias – de Campo Grande e do interior – receberam 336 revólveres, pistolas e espingardas. A média é de 48 armamentos entregues por dia no Estado.
A maior quantidade está em Campo Grande, com 169 armas entregues; seguida de Dourados com 58; Três Lagoas e Corumbá, 40 cada; Ponta Porã, 20 e, em último, Naviraí, com apenas nove. Em Três Lagoas, 18 unidades foram entregues por um colecionador.
Pernambuco é um dos estados que está à frente na entrega de armas. Só ontem foram 515 unidades, 35% a mais que nos sete dias em todo Mato Grosso do Sul. A média do Estado é de quase 100 armas por dia, o dobro de Mato Grosso do Sul.
Mesmo assim, a quantidade de unidades entregue em Mato Grosso do Sul superou a expectativa da Polícia Federal, segundo a assessoria de imprensa. A polícia estima um movimento cada vez maior e torce para que os R$ 10 milhões liberados para as indenizações em todo País não sejam suficientes.
O aposentado Wilson Reis de Andrade, de 62 anos, achou um bom negócio se desfazer da espingarda e da carabina que há décadas pertencem à família. “Eu costumava usar para caçar, mas isso já faz 20 anos. Guardei esperando uma nova oportunidade”, diz.
Pelas duas armas, Wilson vai ganhar, em 30 dias, R$ 300. Ele, que fumou durante 40 anos, hoje gasta mais de R$ 100 por mês com remédios para tratar um enfisema pulmonar. “O dinheiro vai ser muito útil”, comemora. Além do valor, o aposentado diz que a entrega representa um alívio. Mas para que essa sensação seja ainda maior, “só quando a violência for menor”. E, para isso, lembra, é preciso investir em educação. “É importante, mas só desarmar a população não resolve. Temos que ensinar nossas crianças e adolescentes que a violência não resolve os problemas”.
A arma não é entregue na primeira visita à PF. Antes, é preciso ir até a sede da corporação retirar a guia para autorização de trânsito de arma. Sem ela, o cidadão pode ser preso. Para fazer a guia, é preciso informar dados pessoais, identificação da arma, em qual veículo vai fazer o transporte, em qual dia e qual percurso vai realizar. Feita a guia, a polícia dá, geralmente, o prazo de um dia para a entrega.
A indenização é depositada em conta corrente em, no máximo, 30 dias. A polícia orienta que é necessário ter o número do CPF do dono da conta. Edno Rodrigues de Oliveira teve que ligar para a irmã para pegar o número do documento. Depois disso, deixou na polícia um revólver calibre 32 que ganhou como pagamento por um serviço. Edno faz fretes e, para ajudar um amigo, resolveu aceitar a arma. “Ele não tinha como pagar, aceitei o revólver, mas nunca usei”, afirma. O revólver era mantido em casa. “Dava um certo receio. Ele poderia acabar sendo usado contra nós, em um assalto, por exemplo”. Para receber a indenização, a arma deve ser entregue até dezembro. Os valores são:

Revólveres – R$ 100, exceto o calibre 357 Magnum, calibre 44 e calibre 44 Magnum que dão direito a R$ 200;

Pistolas – R$ 100, exceto as 9mm, 10mm, calibre 40, calibre 357, calibre 44 Magnum e calibre 45 que dão direito a R$ 300

Espingardas – R$ 100

Carabinas – R$ 200

Fuzis – R$ 300
 
Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada