Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 11 de abril de 2021
Busca
Brasil

Educação rejeita bolsa de estudo para policiais

6 Out 2004 - 11h03
A Comissão de Educação e Cultura rejeitou a criação do sistema de bolsa de estudo para policiais federais, civis e militares, bombeiros e militares federais. O sistema, que seria instituído no âmbito do Ministério da Educação, consta do Projeto de Lei 2075/03, do deputado Carlos Nader (PFL-RJ).
O relator da proposta, deputado Ivan Valente (PT-SP), apresentou parecer pela rejeição do projeto e das propostas que estavam tramitando em conjunto.

Educação universal
O parlamentar argumentou que o projeto favorece apenas a um grupo de servidores públicos. "Embora reconheçamos o mérito social da medida, tenho que destacar o caráter universal da educação pública, que deve ser amplo e de boa qualidade para atendimento de toda a população, independentemente do grupo social a que pertença".
Valente acrescenta que a atribuição de aperfeiçoamento profissional de policiais é das agências ou instâncias de coordenação dessas atividades.
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV