Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 30 de maio de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Criação de vagas com carteira assinada cai 16% em fevereiro

28 Mar 2007 - 06h00
O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho registrou em fevereiro a criação de 148.019 novos empregos com carteira assinada. O resultado foi 16,2% menor do que o verificado no mesmo mês de 2006, quando foram gerados 176.632 novos postos de trabalho.

No bimestre, o Caged, que registra todas as demissões e admissões feitas pelas empresas que contratam pelas regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), acumula um saldo positivo de 253.487 novos empregos, contra 263.248 registrados em igual período do ano passado.

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, classificou o resultado de fevereiro como "bom e dentro das expectativas" do governo. "O resultado não nos surpreendeu", comentou.

Marinho disse que a redução no ritmo de geração de novos empregos com carteira assinada no mês pode ser explicada pelo fato de fevereiro de 2006 ter concentrado um grande número de "feiras e eventos turísticos" em grandes cidades do sul e sudeste. Para o ministro, é cedo para falar qual será a tendência do ano no mercado de trabalho. "Somente em maio poderemos ter uma visão mais geral", afirmou.

Todos os grandes setores da economia registraram mais contratações do que demissões de trabalhadores, sendo que os serviços geraram 62,8 mil novas vagas, a indústria de transformação ficou positiva em 30,8 mil novos postos e a agropecuária registrou 21,9 mil.

No bimestre, o melhor desempenho dos três foi a indústria, registrando o seu segundo melhor resultado para o período da série do Caged, abaixo apenas do primeiro bimestre de 2004.

"Se a indústria de transformação continuar nesse ritmo, certamente ela vai puxar o crescimento do ano como ocorreu em 2004. No entanto, ainda é cedo para falar que isso é uma tendência", afirmou Marinho.

Construção

Alguns setores que vinham com bom desempenho, apresentaram redução no ritmo de geração de empregos como a construção civil. Em janeiro, as empresas desse setor criaram 11,7 mil novos empregos e em fevereiro foram apenas 5,5 mil.

Marinho apontou o menor número de obras públicas sendo tocadas pelos governos (federal, estaduais e municipais) neste início de ano como uma das principais explicações para isso. "O ano passado era eleitoral e os governos anteciparam para o primeiro semestre a execução de suas obras para não esbarrar nas limitações da lei eleitoral e este ano isso não é necessário", comentou Marinho. Pela lei, em ano eleitoral, obras não podem ser licitadas três meses antes das eleições.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

600TÃO NA CONTA
Aniversariantes de janeiro podem transferir e sacar 2ª parcela dos R$ 600 neste sábado
FRIO, AR SECO E COVID-19
Frio, ar seco e covid-19, 'vassourinhas' do sistema respiratório ficam preguiçosas com o frio
ESCALADA DE ENTERROS
Brasil aproxima de 26 mil mortes por covid 19
ESTUPRO
Homem é preso em flagrante tentando estuprar mulher desacordada
AUXILIO EMERGENCIAL
A 2ª parcela do auxílio de R$ 600 foi cancelada? Saiba como resolver o problema
CORONAVIRUS NO BRASIL
Covid-19: Brasil passa dos 400 mil casos confirmados e 25 mil mortes
MORTES CONTINUAM
Brasil é o 2º país no mundo com infectados com o coronavirus
FRAUDE
URGENTE! 160 mil possíveis FRAUDES no auxílio emergencial de R$600
COVID-19
URGENTE! Zezé Di Camargo e Luciano testam positivo para a Covid-19
BONITO - MS - COVID-19
Pandemia faz empresas demitirem 29% dos funcionários do setor de turismo de Bonito (MS)