Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 14 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Confederação discute propostas do governo

6 Set 2004 - 08h19
A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação (CNTE) encerrou hoje a Segunda Plenária Intercongressual, onde 35 organizações filiadas à CNTE chegam a conclusões e estabelecem propostas sobre os rumos que tomarão em relação à reforma sindical, reforma no ensino superior, proposta do Fundo de Financiamento à Educação Básica (Fundeb) e políticas educacionais do governo.

Segundo Juçara Dutra Vieira, presidente da CNTE, ficou decidido que a confederação irá legitimar a Central Única dos Trabalhadores (CUT) como representante da classe trabalhadora e da CNTE no Fórum Internacional do Trabalho. Ela diz que a CUT tem assento no Fórum que realiza negociações entre o governo, os empregadores e as Centrais Sindicais. “Na questão da reforma sindical consideramos dois itens necessários, especialmente para o serviço público, que são a negociação coletiva e o direito de greve – dois pontos que não foram conquistados pelos trabalhadores, embora o direito de greve já estivesse previsto desde a Constituição Federal de 1988”, destaca Juçara.

Além disso, durante a plenária, foi decidido que a CNTE continuará debatendo a proposta apresentada pelo governo no que diz respeito à reforma do ensino superior. “Decidimos continuar com a proposta do governo, embora tenhamos pontos contrários, como a compra de vagas públicas em estabelecimentos privados, a estatização de vagas. Mas, também temos pontos a favor como o que se refere às cotas”, ponderou a presidente da confederação.

Durante o encontro, também foram tratados pontos que consideram prioritários para a política dos fundos. Sobre a proposta do governo de criação do Fundeb, por exemplo, foi debatido que o Fundo deve ter recursos da União que não sejam concorrentes com os das universidades. “Também queremos que, dentro desta política de financiamento, se inclua o piso salarial profissional nacional, que haja efetivo controle social no sentido de responsabilizar os que desviam verbas do existente fundo do ensino fundamental, que haja a inclusão no fundo de todos os níveis e modalidades de educação básica”, disse Juçara Vieira.

Quanto às políticas de educação do governo, a presidente da CNTE pediu o aumento do financiamento educacional, derrubando vetos ao Plano Nacional de Educação. “Os vetos implicam na retirada, ou não destinação de recursos para a educação. Um dos pontos vetados do plano é o aumento gradativo do investimento do Produto Interno Bruto (PIB)”, revelou.

Além disso, foi incluída na proposta a ser entregue ao Ministério da Educação (MEC), em teleconferência no dia 22 de setembro, a necessidade de aumento do custo por aluno e que a educação seja tratada ainda no âmbito econômico. “Para instituir o Fundeb, ainda depende da concordância dos governadores e dos prefeitos”, lembrou Juçara.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

AUXILIO EMERGENCIAL
Liberados saques e transferências para aprovados no 3º lote
VITIMA DA COVID 19
Cantor morre de covid-19 após sogro e sogra; esposa está em isolamento
CAOS NA SAUDE
MT está perdendo a guerra para o coronavírus; nós subestimamos a doença
TRAGEDIA NO CONDOMÍNIO
Adolescente que matou amiga treina tiro esportiva há 3 anos com o pai
VIOLENCIA DOMESTICA
Mulher tem rosto desfigurado após ser agredida e pisoteada pelo marido bêbado
CORONAVIRUS AVANÇA
Brasil tem 72.234 mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
BONITO - DICAS AGÊNCIA
Como fazer Snorkel em Bonito MS, o que ver, o que fazer e o que não!
PANDEMIA CORONAVIRUS
Filho de ex-jogador famoso vende geleias e não vê o pai há nove anos
SOB INVESTIGAÇÃO
Maria Aldenir lutou com assassino, mas viu a filha ser morta com 24 facadas
AVANÇO DA PANDEMIA
Mais 903 casos e 33 mortes por coronavírus foram registrados em 24h em MT