Menu
SADER_FULL
sábado, 31 de julho de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Compra de empresas no Brasil atinge 2º maior volume entre emergentes

20 Set 2010 - 16h50Por Dealogic

O volume de fusões e aquisições tendo como alvo empresas brasileiras neste ano foi o segundo maior entre os mercados emergentes --atrás apenas da China--, segundo um levantamento da consultoria britânica Dealogic.

Até setembro, a Dealogic registrou 375 operações que resultaram na troca de mãos de ativos de empresas brasileiras, alcançando quase US$ 76 bilhões. A compra de parte da Brasilcel, controladora da Vivo, pela espanhola Telefônica por US$ 9,6 bilhões em maio lidera a lista.

Esse volume só foi maior na China, onde foram registradas 2.689 operações, superando US$ 134 bilhões.
Há quatro anos o número de fusões e aquisições tendo como alvo companhias de países emergentes vêm superando o numero de operações semelhantes tendo como alvo as empresas de países europeus.

No entanto, pela primeira vez, tendência semelhante foi registrada em termos de volumes alcançados nessas operações.
Para o período de janeiro a setembro, o volume de fusões e aquisições de companhias europeias desabou do pico de US$ 1,85 trilhão atingido em 2007 para US$ 556 bilhões neste ano.

Já os países emergentes reagiram melhor aos efeitos da crise. As fusões e aquisições tendo como alvo companhias destas economias chegaram a US$ 913 bilhões em 2007, caíram nos anos seguintes e voltaram a se recuperar neste ano, atingindo US$ 578 bilhões.

Deste total, os quatro Brics (China, Brasil, Índia e Rússia, nessa ordem) respondem por mais da metade: US$ 311 bilhões.
Para analistas, os números mostram o dinamismo e a atratividade dos países emergentes, e dos Bric em particular, em comparação com os países ricos fortemente afetados pela crise econômica.

Em quinto lugar entre os países mais procurados e pouco atrás da Rússia aparece o México, onde as fusões e aquisições tendo como alvo empresas nacionais chegaram a US$ 43 bilhões.

Como o Brasil, o México tem três operações entre as dez mais volumosas do período, incluindo a maior delas, a compra da Carso Global Telecom pela América Movil por US$ 24 bilhões em janeiro deste ano.

Entretanto, em número de operações os mexicanos ficam atrás - 117 no total.
No Brasil, além da compra de parte da Brasilcel pela Telefônica, figuram na lista das maiores operações a união da TAM e da LanChile anunciado em agosto (US$ 5,5 bilhões) e a aquisição de ativos da Cosan pela anglo-holandesa Shell em fevereiro (US$ 5,4 bilhões).

QUADRO DE INFORMAÇÕES

Fusões e aquisições (países-alvos)

China - US$ 134,4 bilhões
Brasil - US$ 75,8 bilhões
Índia - US$ 56,3 bilhões
Rússia - US$ 44,9 bilhões
México - US$ 43,1 bilhões

Emergentes - US$ 578,8 bilhões
Europa - US$ 556,5 bilhões

Deixe seu Comentário

Leia Também

CÃOPAINHA
Cachorro toca campainha após ficar trancado fora de casa
SONHO INTERROMPIDO
Ultimo ensaio fotográfico minutos antes de médico sofrer choque e morrer nas vésperas de casamento
OLIMPÍADA
Rebeca é prata e faz história na ginástica olímpica em Tóquio
FENÔMENO DA NATUREZA
Chuva de meteoros será visível na madrugada de quinta para sexta em todo Brasil
A CASA CAIU
Mulheres se unem e surram "valentão" flagrado agredindo ex no meio da rua
CRISE HÍDRICA
Novas fontes preparam MS para a crise hídrica, ressalta governador
ABAIXO DE ZERO
Com -8,6°C, SC registra a menor temperatura do Brasil em 2021, diz Inmet
COVID-19
Em dia de aumento de casos Brasil tem 1.333 óbitos por Covid - 19 nas últimas 24 horas
CONCURSO PÚBLICO
Caixa Econômica convocará 9 mil de concursos e abre mais mil vagas
BRASIL - 550.502 MORTES
Covid-19: país ultrapassa 550 mil mortes e tem 19,7 milhões de casos