Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 25 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Chuva favorece doenças da soja e dificulta colheita

30 Jan 2010 - 10h42Por Embrapa Soja

As chuvas abundantes neste verão são uma preocupação, porque favorecem o aparecimento de doenças na soja; dificultam o seu manejo e também podem ser um problema no momento da colheita, avalia o coordenador da área de grãos da Emater-PR, Nelson Harger.

Segundo Harger, a previsão de chuvas para fevereiro e março acima das médias anteriores, deverá trazer dificuldades à colheita da soja, principalmente no Centro e Sul do País, onde o fenômeno El Niño está associado a chuvas freqüentes e bem distribuídas.

“O produtor precisa avaliar bem a situação no momento da colheita, porque em alguns casos, será menos prejudicial colher o grão com umidade, do que deixá-lo na lavoura”, alerta Harger.

Os registros do Consórcio Antiferrugem mostram uma média de 30 dias de antecipação no aparecimento da ferrugem asiática da soja, quando comparada à safra atual à anterior. O fato está associado ao maior volume relativo de precipitação no início da safra.

A incidência é generalizada nos estados de Goiás, do Mato Grosso, do Mato Grosso do Sul e do Paraná.

“No entanto, na maioria dos locais os níveis de severidade estão mantidos sob controle, o que diminui o risco de perdas, mas já há relato de lavouras com alta severidade, o que pode gerar um aumento no número de aplicações comparado às duas últimas safras”, avalia o pesquisador Rafael Soares, da Embrapa Soja.

No entanto, na maioria dos locais, perdas pela ferrugem ainda poderão ser observadas devido a atrasos nas aplicações, que podem ocorrer em função das precipitações freqüentes, e também nas lavouras semeadas mais tardiamente.

A orientação, neste caso, recai sobre o monitoramento intenso para se evitar o atraso no controle.

“Os intervalos para as reaplicações devem ser avaliados para cada situação, principalmente nas regiões com previsões de alto risco climático e com maior pressão de ferrugem proveniente dos focos detectados nas primeiras semeaduras”, explica Soares.
Mapas de Riscos

A partir de 2010, o Consórcio Antiferrugem, por intermédio do laboratório credenciado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, passou a elaborar boletins periódicos de risco da ferrugem para o Brasil.

Os mapas divulgados representam condições climáticas favoráveis à ocorrência de epidemias, em determinados períodos de tempo.

 “Eles devem ser usados como mais uma ferramenta de manejo e interpretados levando-se em conta a situação local e outros fatores como a presença de inóculo na região”, avalia a pesquisadora Cláudia Godoy, da Embrapa Soja.

“Os mapas de prognóstico podem indicar a continuidade ou não de condições de risco, portanto, bastante úteis na decisão de aplicações e reaplicações de fungicidas”.


Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada