Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 14 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Cerca de 200 mil bancários estão em greve em todo país

18 Set 2004 - 07h32
São Paulo – Cerca de 200 mil bancários – quase metade da categoria – fizeram greve em todo o país nesta sexta-feira, segundo balanço da Confederação Nacional dos Bancários (CNB). Dezoito capitais aderiram à mobilização, iniciada na última terça-feira em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Florianópolis. O movimento também cresceu no interior do país, especialmente nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

No final da tarde de hoje, a CNB/CUT e o Sindicato dos Bancários de São Paulo enviaram ofício à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) reforçando a rejeição da proposta e solicitando a reabertura das negociações. A CNB afirma que a Fenaban concordou em reabrir o processo e ficou de marcar uma nova rodada de conversas na próxima semana, mas a entidade dos bancos nega a informação.

Em São Paulo, cerca de 25 dos 106 mil bancários da Capital, de Osasco e região não trabalharam nesta sexta-feira, paralisando 340 agências de bancos públicos e privados. Após passeata na tarde de nesta sexta-feira, os bancários de São Paulo decidiram permanecer em greve na segunda-feira.

No Rio de Janeiro também houve passeata e a greve foi aprovada. Todas as agências da capital fecharam as portas, somente o Bradesco permaneceu aberto por força policial. Em Brasília, 95% das agências da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil não funcionaram. Domingo haverá nova assembléia. As demais cidades realizam assembléia agora à noite para decidir sobre a continuidade da paralisação. As cidades que não aderiram ao movimento farão assembléias na segunda-feira.

Os bancários reivindicam reposição da inflação mais aumento real de 17,68% e Participação nos Lucros e Resultados de um salário mais R$ 1.200. Os banqueiros oferecem reajuste salarial de 8,5% mais R$ 30 para quem ganha salários até R$ 1.500 – o que representa reajuste de até 12,77% e aumento real de 5,75%. Para os que ganham acima de R$ 1.500, o reajuste sugerido é de 8,5%, assim como para as demais verbas de natureza salarial como vales alimentação, refeição e auxílio-creche. A proposta, rejeitada, prevê Participação nos Lucros e Resultados de 80% do salário mais R$ 705 e pagamento de vale-alimentação extra de R$ 217.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

AUXILIO EMERGENCIAL
Liberados saques e transferências para aprovados no 3º lote
VITIMA DA COVID 19
Cantor morre de covid-19 após sogro e sogra; esposa está em isolamento
CAOS NA SAUDE
MT está perdendo a guerra para o coronavírus; nós subestimamos a doença
TRAGEDIA NO CONDOMÍNIO
Adolescente que matou amiga treina tiro esportiva há 3 anos com o pai
VIOLENCIA DOMESTICA
Mulher tem rosto desfigurado após ser agredida e pisoteada pelo marido bêbado
CORONAVIRUS AVANÇA
Brasil tem 72.234 mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
BONITO - DICAS AGÊNCIA
Como fazer Snorkel em Bonito MS, o que ver, o que fazer e o que não!
PANDEMIA CORONAVIRUS
Filho de ex-jogador famoso vende geleias e não vê o pai há nove anos
SOB INVESTIGAÇÃO
Maria Aldenir lutou com assassino, mas viu a filha ser morta com 24 facadas
AVANÇO DA PANDEMIA
Mais 903 casos e 33 mortes por coronavírus foram registrados em 24h em MT