Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 23 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Centrais insistem em mínimo de R$ 420 e preparam marcha

22 Nov 2006 - 16h52
 
A principais centrais sindicais insistiram que o governo deve reajustar o salário mínimo dos atuais R$ 350 para R$ 420 e prometem mobilização popular para pressionar o governo a atender a reivindicação. Nos estados, haverá manifestações no dia 29 de novembro. A marcha em Brasília está agendada para 6 de dezembro.

Para a CUT, o rebaixamento da proposta do governo federal, de R$ 375 para R$ 367, reforça a disposição da central em realizar a marcha pelo salário mínimo em Brasília. \"Vamos pressionar para que o valor previsto no Orçamento, que inicialmente já estava aquém de nossa reivindicação, seja superado pela mobilização das ruas\", disse Artur Henrique, presidente da CUT. Para ele, o governo também tem de criar uma \"política de valorização permanente do salário mínimo a partir do ano que vem\".

Sobre o argumento do governo de que o crescimento econômico ficará abaixo do previsto, Henrique disse que o governo federal deveria \"implementar de imediato algumas medidas que sugerimos à exaustão\". Entre elas está a inclusão de representantes dos trabalhadores no CMN (Conselho Monetário Nacional) \"para que as decisões sobre a política econômica tomem como base metas de crescimento e de geração de empregos, que mereçam a mesma obstinação destinada à meta de inflação\".

O secretário da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, disse que \"é perigoso o governo se sentir pressionado pelos gastos públicos logo após as eleições\" e que as centrais vão insistir no mínimo de R$ 420. Para ele, a nova proposta do governo \"acirra o enfrentamento\" com as centrais e a mobilização é a única forma de pressionar o governo a melhorar a proposta de reajuste do mínimo.

Juruna defende que o impacto na Previdência, que pode chegar a R$ 14 bilhões se o mínimo subir para R$ 420, pode ser amenizado pelo aumento da contribuição patronal à Previdência, descontada sobre o faturamento das empresas.

O presidente da CGT, Salim Reis, disse que \"o governo está querendo arrumar confusão\". \"O movimento sindical não aceitava a proposta de R$ 375 e muito menos aceitará R$ 367. Queremos uma política de recuperação do salário mínimo.\" Para ele, o governo não pode ignorar que R$ 367 ou R$ 375 são valores muito abaixo do que o brasileiro precisa para sobreviver e que os R$ 420 propostos pelas centrais são apenas o início da recuperação do mínimo.

 

 

Dourados News

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro