Menu
SADER_FULL
quarta, 21 de abril de 2021
Busca
Brasil

Brasil quer ampliar acesso à moradia e saneamento

13 Set 2004 - 13h16
O ministro das Cidades, Olívio Dutra, apresentou hoje, durante a abertura do II Fórum Urbano Internacional, que será realizado até a próxima sexta-feira (17) em Barcelona (Espanha), proposta de um pacto internacional que exclua os investimentos em habitação e em saneamento do conceito de dívida para efeito dos cálculos do superávit primário dos países devedores pobres e em desenvolvimento. Co-presidente do evento, Olívio Dutra alertou que, sem essa mudança, torna-se mais distante a tarefa de universalizar o acesso à moradia e a serviços básicos de saneamento.

“Esse novo paradigma, da cidade includente e democrática, requer a revisão das políticas e estratégias adotadas nos anos 90”, defendeu Dutra, diante de um público formado por representantes do governo e da sociedade civil de mais de 150 países. Também participaram da solenidade, realizada no Centro de Convenções de Barcelona, a diretora-executiva do Programa de Assentamentos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU-Habitat), Anna Tibajuka; a ministra da Habitação da Espanha, Mara Antonia Trujillo, presidente do fórum; o prefeito de Barcelona, Joan Clos; o ex-presidente da União Soviética Mikhail Gorbatchev e o presidente da organização-não governamental Cidades e Governos Locais Unidos, Jeffrey Sachs, que é assessor especial do secretário-geral das ONU, Kofi Annan, no que se refere às Metas do Milênio.

Segundo Olívio Dutra, nos países não-desenvolvidos, 80% do total de habitantes vivem em cidades. Um terço de toda a população urbana mundial vive em assentamentos precários, o que é uma “demonstração evidente de que o processo de urbanização da pobreza está em pleno vigor”.

Entre os temas centrais do fórum estão os desafios e compromissos internacionais para o cumprimento das Metas do Milênio, definidas pelas Nações Unidas. O Brasil integra o conjunto de países que se comprometeram a trabalhar pela melhoria de vida nas cidades de todo o mundo. Uma das diretrizes definidas pela ONU é a redução, pela metade, até 2015, do número de pessoas sem acesso à água potável e aos serviços básicos de saneamento, e, até 2020, a melhoria significativa da situação de pelo menos 100 milhões de pessoas que não têm acesso à moradia digna.
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19
VITIMA DA COVID 19
Vídeo: enfermeiro que receitava cloroquina se passando por médico morre de Covid-19
OS AMORES DO REI
Roberto Carlos teve três casamentos, paixões secretas e perdas em seus 80 anos
JUVENTUDE EM ALERTA
Covid: Variante acelera intubação de jovens e SP orienta procurar ajuda no 1º dia de sintomas
ATAQUE CANINO
Pit bull mata criança de 2 anos e deixa o irmão dela ferido
VIDEO CAPIVARA NA IGREJA
Capivara invade igreja: 'acho que ela veio rezar conosco', brinca Padre
BEBEDEIRA
Idoso conhece mulher, leva para casa é atacado a facadas
ROUBO DE CARGA
Três mil pessoas roubam carga de carne após carreta tombar e provocam novo acidente