Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 23 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Brasil e Argentina fecham acordo na exportação de geladeira

16 Jul 2004 - 08h47
Os governos do Brasil e da Argentina fecharam hoje à noite um acordo sobre o comércio de geladeiras. O Brasil poderá exportar 36.300 unidades nos meses de agosto e setembro.

Nesse período, até o dia 19 de setembro, um grupo de trabalho que será formado pelos dois países fará um levantamento da dimensão do mercado consumidor argentino para, a partir daí, definir uma cota para as exportações brasileiras.

Com isso, pode chegar ao fim a disputa comercial entre as partes, que dura dez dias e que iniciou após as reclamações da Argentina.

O acerto prevê que o Brasil não tenha uma participação superior a aproximadamente 50% do mercado argentino, dando assim espaço para a recuperação das empresas locais, como desejava o governo argentino. Para as vendas de fogões, ficou determinado que o Brasil exportará 90 mil unidades em 2004 e no máximo 47,5 mil fogões no primeiro semestre de 2005.

Os dados foram apresentados no final da noite pelo secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Comércio e Indústria, Marcio Fortes. Ele chegou ontem à Buenos Aires para participar dos encontros a partir de hoje. A reunião para definir o futuro das exportações de máquinas de lavar brasileiras para a Argentina começou às 19h e não tem previsão para terminar.

A posição do Brasil, segundo Fortes, é que o Brasil tem competitividade para enfrentar terceiros mercados na Argentina e que qualquer acordo que se faça visa atender as necessidades do mercado local e apoiar a recuperação do parque industrial argentino, que foi praticamente desmontado nos últimos anos por conta da crise econômica vivida pelo país. Entre 1999 e 2002, a economia argentina recuou quase 20%.

Fortes disse ainda, por meio de nota do ministério, que existirá uma cooperação mútua entre os dois países. Nesse processo, serão realizadas parcerias complementares, integração de cadeias produtivas, joint ventures e promoção recíproca de investimentos.

Na avaliação do secretário, os acordos "evitaram a aplicação de medidas restritivas"às exportações brasileiras de fogões e geladeiras. Os encontros tiveram início na última quarta-feira entre técnicos dos setores privados de ambos os países. Os representantes dos governos --do Brasil e da Argentina-- entraram nas negociações nesta quinta-feira.

A polêmica teve início na semana passada, quando o governo argentino elevou de zero para 21% a alíquota de importação das televisores fabricados na Zona Franca de Manaus. Os argentinos também ameaçaram impor cotas para as exportações de eletrodomésticos da chamada linha branca --fogões, geladeiras e máquinas de lavar. A medida provocou protestos dos empresários brasileiros.

Argentina

O embaixador da Argentina no Brasil, Juan Pablo Lohlé, disse hoje que o Mercosul "não é apenas um projeto de liberalização comercial" e sim um "projeto de desenvolvimento econômico". Ele fez as afirmações em resposta aos comentários e as informações veiculadas pela imprensa de ambos os países de que a disputa comercial travada entre Brasil e Argentina colocava em risco a existência do bloco.

Por meio de nota, Lohlé afirmou que as recentes restrições impostas pela Argentina aos produtos da linha branca brasileira levaram em conta o aumento das importações. Segundo os argentinos, as compras feitas pela Argentina do Brasil, aumentaram 121% entre janeiro e maio no caso dos fogões, 126% no caso das geladeiras e 176% para as máquinas de lavar roupa.

"Dessa forma, o consumo dos argentinos nutriu-se no caso das geladeiras de 62% de produtos brasileiros, de 50% nas máquinas de lavar roupa e 30% no de fogões. Isso produziu o fechamento de várias empresas do setor", afirmou o embaixador na nota.

Lohlé citou ainda o caso dos automóveis, incluindo as caminhonete. Isso, segundo ele, tem provocado desequilíbrios comerciais pois o mercado argentino de carros é 60% de automóveis brasileiros. Hoje, durante visita ao ministro Antonio Palocci (Fazenda), o presidente da Volkswagen, Hans-Christian Maergner, disse que esse problema "ainda" não preocupa a empresa, mas que o tema está sendo acompanhado de perto pelo setor automobilístico brasileiro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos
VEJA VIDEO
Índio precisa buscar socorro a cavalo após ataque de onça