Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 27 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Atividade do comércio fica estagnada em setembro, diz Serasa

6 Out 2009 - 08h06Por Folha Online

O setor varejista nacional ficou estagnado em setembro, após uma sequência de sete altas consecutivas, segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira pela Serasa Experian, empresa especializada na análise de crédito.

O indicador de atividade do comércio, elaborado pela Serasa, iguala, assim, a variação registrada em janeiro deste ano. No mês passado, o segmento de Veículos, Motos e Peças foi o destaque, com crescimento de 6,5% devido à com a proximidade do fim dos incentivos fiscais ao setor --no mês passado, os consumidores correram às concessionárias para aproveitar o último mês antes da elevação gradual do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

Desde o dia 1º deste mês, o tributo reduzido em dezembro do ano passado para carros voltou a subir gradativamente, e chegará à alíquota original em janeiro.

A alta nas vendas naquele segmento, no entanto, não contrabalançou as quedas de 0,6% no segmento de Móveis, Eletroeletrônicos e Informática; de 0,3% no movimento das lojas de Material de Construção; e de 2,1% na atividade do segmento de Tecidos, Vestuário, Calçados e Acessórios.

O segmento de Combustíveis e Lubrificantes teve alta de 1% e o de Supermercados, Hipermercados, Alimentos e Bebidas teve alta de 0,1%.

Segundo a Serasa Experian, o fim do ciclo de relaxamento monetário e a retirada dos estímulos fiscais anticrise não devem provocar quedas sistemáticas no varejo, mas o desempenho será menos intenso que a média registrada no período de maio a agosto deste ano (crescimento médio mensal de 1,1%).

Na comparação com setembro de 2008, houve alta de 5,6% --segunda maior taxa do ano, atrás dos 6,3% registrados em agosto na mesma comparação. O segmento de Móveis, Eletroeletrônicos e Informática avançou 9,9% em setembro em relação ao mesmo mês de 2008, e o setor de Tecidos, Vestuário, Calçados e Acessórios subiu 5,7% na mesma comparação.

Já o segmento de Material de Construção teve recuo de 18,7% em setembro, em relação ao mesmo mês de 2008.

No acumulado do ano, o indicador registrou crescimento de 4,4%, com destaque para o setor de Móveis, Eletroeletrônicos e Informática (alta de 10,1%). Em seguida vêm Tecidos, Vestuário, Calçados e Acessórios (alta de 3,3%); Veículos, Motos e Peças (alta de 2,7%); e Supermercados, Hipermercados, Alimentos e Bebidas (alta de 1,4%).

Os únicos segmentos que apresentaram queda de atividade no acumulado anual foram o de Combustíveis e Lubrificantes (-1,8%) e o de Material de Construção (-14,4%).

Leia Também

SUBINDO
Brasil em 24 horas, foram registradas 487 mortes por Covid 19 e 183.722 novos casos registrados
joao 5 39 examinais as escrituras 2_3 LIÇÕES DA BIBLIA
Quanto Falta para o Fim do Mundo?
TRAGÉDIA NA IGREJA
Confusão em culto termina com pastor e jovem mortos, 4 baleados e casa incendiada
SOB INVESTIGAÇÃO
Lutador é executado com 12 tiros, sua esposa esta grávida
SEU DINHEIRO
Qualquer cidadão pode consultar se tem valores a receber de instituições financeiras; saiba como
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 259 mortes e 83,3 mil novos casos
ESTUPRO DE VUNERALVEL
Mãe vê partes íntimas vermelha, pergunta e filha de 2 anos aponta paro o tio
ACASALAMENTO DE COBRAS
Casal sucuri acasalando em rio assusta e impressiona turistas; veja vídeo
MEIO AMBIENTE
O número médio anual de relâmpagos do país aumentará para 100 milhões
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, Brasil registrou mais 135.080 casos e 296 mortes por covid-19