Menu
SADER_FULL
sábado, 26 de setembro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Artigo "Forças dinamizadora na América Latina e no Caribe" por Bruno Peron

8 Nov 2010 - 11h18Por

O Sistema Econômico Latino-Americano (SELA) apresentou um Informe sobre as indústrias culturais e criativas na América Latina e no Caribe durante a 36ª Reunião Ordinária de seu Conselho Latino-Americano em 27, 28 e 29 de outubro de 2010 em Caracas, Venezuela.

O Informe contém a sugestão de atribuir às indústrias culturais e criativas da região um tratamento formal de pertencimento ao setor econômico. Há muito os mercado-maníacos tentam abocanhar a criatividade, o imaginário e o pensamento de latino-americanos e caribenhos a fim de transformá-los em fórmulas lucrativas e vinculadas a marcas.

Este documento informativo e propositivo, que resulta do esforço de intelectuais de vários países integrantes do organismo internacional sediado na Venezuela, mencionou complementarmente a preponderância do conhecimento, a criatividade e a informação como "forças dinamizadoras" do crescimento econômico da região.

A reunião do SELA coincide com o diagnóstico de entrelaçamento de redes culturais através de meios de comunicação sem que o indivíduo tenha que sair de casa. A "cultura" vai até você pelo celular, o computador e a televisão.

Emergem assim novas formas de relacionamento entre cultura e as tecnologias de comunicação e informação, embora as tarifas de celular no Brasil continuem as mais caras no mundo e a internet seja de péssima qualidade, cara, lenta, com interrupções frequentes do serviço e atendimento frustrante aos clientes das empresas monopólicas.

O mais divertido desta história é o afã do jornalista William Bonner, um dia depois da vitória de Dilma Rousseff, de questionar numa entrevista pela emissora de televisão Globo a presidente eleita sobre o compromisso com a liberdade de expressão da imprensa.

Que medo têm do tal de "controle social" da imprensa!

Na época da ditadura militar, a Globo chupava o picolé de cada verdugo militar travestido de presidente da República. Estes, antes de morrer, devem ter reconhecido quanto foram desprezíveis.

O Informe do SELA reiterou que as indústrias culturais promovem as culturas locais e a imagem de uma região ou país no mundo, o contato com outras culturas por meio da globalização e a renovação das tradições culturais por este processo. Estes são os prós.

Este gênero de indústrias, porém, tem os contras: a América Latina e o Caribe devem lutar para não perder os referentes territoriais de suas culturas, que se difundem nos meios eletrônicos e se reproduzem como exóticos e homogêneos.

Portanto, é fundamental o equilíbrio entre o setor cultural (tão amplo e diverso), as escalas de governo (e suas políticas públicas municipais, estaduais e federais), e as empresas que tomam a cultura como fonte de lucro e renda (sobretudo com leis de renúncia fiscal).

O setor das indústrias culturais e criativas, segundo o Informe do SELA, colabora com uma média de 7% ao Produto Interno Bruto mundial, mas a percentagem oscila entre 1 e 7% na América Latina e no Caribe. De acordo com os últimos dados disponíveis, o menor investimento no setor é o paraguaio, enquanto a Venezuela conta com o maior.

Um grande desafio nesta região de proporções continentais é aproximar o potencial ao efetivo, visto que seus recursos culturais podem situá-la em melhores níveis de desenvolvimento humano e de qualidade de vida.

Por isso as redes extensas do mercado têm força para promover o setor cultural a despeito de qualquer mácula inerente aos seus princípios. As indústrias articulam um número grande de profissionais que, poucas vezes, preocupam-se com se o que fazem é cultural ou não.

O Informe do SELA sobre as indústrias culturais e criativas na América Latina e no Caribe, desse modo, desdobrou aspectos de uma nova maneira de se fazer negócios tomando-se até o intangível como objeto de renda.

As tais "forças dinamizadoras" poderão ser úteis se servirem a nós, latino-americanos e caribenhos, enquanto deixarmos de deslumbrar diante daquilo que aceitamos como única "cultura" possível.

Caso contrário, seria mais um pretexto para exaurir a nossa seiva a troco de mais miséria.

 

Bruno Peron Loureiro é mestre em Estudos Latino-Americanos pela UNAM.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso