Menu
SADER_FULL
sábado, 24 de julho de 2021
Busca
Brasil

Artigo "Forças dinamizadora na América Latina e no Caribe" por Bruno Peron

8 Nov 2010 - 11h18Por

O Sistema Econômico Latino-Americano (SELA) apresentou um Informe sobre as indústrias culturais e criativas na América Latina e no Caribe durante a 36ª Reunião Ordinária de seu Conselho Latino-Americano em 27, 28 e 29 de outubro de 2010 em Caracas, Venezuela.

O Informe contém a sugestão de atribuir às indústrias culturais e criativas da região um tratamento formal de pertencimento ao setor econômico. Há muito os mercado-maníacos tentam abocanhar a criatividade, o imaginário e o pensamento de latino-americanos e caribenhos a fim de transformá-los em fórmulas lucrativas e vinculadas a marcas.

Este documento informativo e propositivo, que resulta do esforço de intelectuais de vários países integrantes do organismo internacional sediado na Venezuela, mencionou complementarmente a preponderância do conhecimento, a criatividade e a informação como "forças dinamizadoras" do crescimento econômico da região.

A reunião do SELA coincide com o diagnóstico de entrelaçamento de redes culturais através de meios de comunicação sem que o indivíduo tenha que sair de casa. A "cultura" vai até você pelo celular, o computador e a televisão.

Emergem assim novas formas de relacionamento entre cultura e as tecnologias de comunicação e informação, embora as tarifas de celular no Brasil continuem as mais caras no mundo e a internet seja de péssima qualidade, cara, lenta, com interrupções frequentes do serviço e atendimento frustrante aos clientes das empresas monopólicas.

O mais divertido desta história é o afã do jornalista William Bonner, um dia depois da vitória de Dilma Rousseff, de questionar numa entrevista pela emissora de televisão Globo a presidente eleita sobre o compromisso com a liberdade de expressão da imprensa.

Que medo têm do tal de "controle social" da imprensa!

Na época da ditadura militar, a Globo chupava o picolé de cada verdugo militar travestido de presidente da República. Estes, antes de morrer, devem ter reconhecido quanto foram desprezíveis.

O Informe do SELA reiterou que as indústrias culturais promovem as culturas locais e a imagem de uma região ou país no mundo, o contato com outras culturas por meio da globalização e a renovação das tradições culturais por este processo. Estes são os prós.

Este gênero de indústrias, porém, tem os contras: a América Latina e o Caribe devem lutar para não perder os referentes territoriais de suas culturas, que se difundem nos meios eletrônicos e se reproduzem como exóticos e homogêneos.

Portanto, é fundamental o equilíbrio entre o setor cultural (tão amplo e diverso), as escalas de governo (e suas políticas públicas municipais, estaduais e federais), e as empresas que tomam a cultura como fonte de lucro e renda (sobretudo com leis de renúncia fiscal).

O setor das indústrias culturais e criativas, segundo o Informe do SELA, colabora com uma média de 7% ao Produto Interno Bruto mundial, mas a percentagem oscila entre 1 e 7% na América Latina e no Caribe. De acordo com os últimos dados disponíveis, o menor investimento no setor é o paraguaio, enquanto a Venezuela conta com o maior.

Um grande desafio nesta região de proporções continentais é aproximar o potencial ao efetivo, visto que seus recursos culturais podem situá-la em melhores níveis de desenvolvimento humano e de qualidade de vida.

Por isso as redes extensas do mercado têm força para promover o setor cultural a despeito de qualquer mácula inerente aos seus princípios. As indústrias articulam um número grande de profissionais que, poucas vezes, preocupam-se com se o que fazem é cultural ou não.

O Informe do SELA sobre as indústrias culturais e criativas na América Latina e no Caribe, desse modo, desdobrou aspectos de uma nova maneira de se fazer negócios tomando-se até o intangível como objeto de renda.

As tais "forças dinamizadoras" poderão ser úteis se servirem a nós, latino-americanos e caribenhos, enquanto deixarmos de deslumbrar diante daquilo que aceitamos como única "cultura" possível.

Caso contrário, seria mais um pretexto para exaurir a nossa seiva a troco de mais miséria.

 

Bruno Peron Loureiro é mestre em Estudos Latino-Americanos pela UNAM.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRABALHO ESCRAVO
Aliciamento de crianças: família de líderes religiosos é presa em operação da polícia
ATO OBSCENO
Homem é detido após entrar nu em culto evangélico
TRAIÇÃO
Vídeo: Mulher flagra marido com travesti dentro do carro e 'pancadaria come solta'
COVID 19 NO BRASIL
Brasil tem 1 órfão por covid a cada 5 minutos: 'Pensamos que crianças não são afetadas, mas sim
SELEÇÃO OLIMPICA
Brasil ameaça passeio em estreia contra a Alemanha, mas desperdiça chance de goleada histórica
TRAGÉDIA NO RIO
Barco vira com nove pessoas matando 3 crianças e 3 adultos
REVOLTA
Mulher tem parte do rosto destruído por ataque de pitbull sem coleira; assista
FLAGRA
Vigilante descobre traição e mata amante da esposa com 3 tiros
SOB INVESTIGAÇÃO
"Te achei!", gritou suspeito antes de matar jovem de 16 anos com 10 tiros
CRIME PASSIONAL
Homem mata a ex-mulher e atira contra a própria cabeça