Menu
SADER_FULL
sábado, 23 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Arrecadação de campanhas cresce 357% em agosto

12 Set 2006 - 11h03
Levantamento estatístico do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revela que, no segundo mês de campanha, houve crescimento de 357,27% na arrecadação total dos candidatos em comparação com julho. Enquanto no primeiro mês da campanha, a receita dos candidatos alcançou R$ 152,727 milhões, em agosto, ultrapassou R$ 698,386 milhões. A campanha eleitoral começou no dia 6 de julho, de acordo com a lei eleitoral.

No período, a participação de recursos arrecadados pelos comitês, nacionais e estaduais, também aumentou em relação ao total de receita dos candidatos. No primeiro mês, os comitês arrecadaram R$ 27,582 milhões - o que representava, na ocasião, cerca de 18% da receita total dos candidatos. No mês passado, porém, os comitês já somaram R$ 154,440 milhões - equivalente a 22,11% do total das receitas arrecadadas pelos candidatos por todo o Brasil.

A estatística baseou-se nas informações da segunda prestação parcial de contas de campanha eleitoral, feita no dia 6 de setembro (a primeira foi no dia 6 de agosto) por candidatos e comitês financeiros e enviadas pelos 27 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) para a base de dados do TSE. Só foram contabilizadas cerca de 70% das prestações de contas parciais, ou seja, os números divulgados devem mudar.

Despesas de R$ 76,5 milhões
Em julho, as despesas dos candidatos foram de R$ 76,501 milhões e, em agosto, atingiram a marca de R$ 426,540 milhões. Isso representa aumento de R$ 457,55%.

Também houve incremento dos gastos efetuados pelos comitês dos candidatos. No primeiro mês, não passaram de R$ 17,608 milhões - cerca de 25% do total de gastos dos candidatos. Em agosto, as despesas alcançaram R$ 127,842 milhões - representando, dessa forma, 29,97% do total dos gastos dos candidatos.

Ao comparar despesas e receita, caixa dos candidatos está positivo em R$ 271,846 milhões até o momento. As despesas do período chegaram a R$ 426,540 milhões e as receitas atingiram R$ 698,386 milhões.

Candidatos a presidente
Os comitês dos candidatos à presidência da República que prestaram contas parciais informaram ter arrecadado R$ 50,996 milhões até agosto - no primeiro mês, essa arrecadação foi de R$ 7,343 milhões. Já os candidatos somaram, em recursos, R$ 20,396 milhões - contra apenas R$ 3,848 milhões em julho. Em relação às despesas, os comitês afirmaram ao TSE ter gastado R$ 46,449 milhões - no primeiro mês de campanha, foram R$ 6,085 milhões. Os candidatos despenderam nos dois meses R$ 19,019 milhões - enquanto, no primeiro mês, esse gasto foi de R$ 3,567 milhões. Até agora, a única candidata à presidência da República que não prestou contas nos dois meses foi Ana Maria Rangel.

Estados
Maior colégio eleitoral brasileiro, o Estado de São Paulo permanece na dianteira entre as 27 unidades da Federação. Os candidatos paulistas contabilizaram maior receita (R$ 117,272 milhões) e despesa (R$ 62,101 milhões). O mesmo fato se repete no quesito receita dos comitês financeiros (R$ 18,997 milhões) e despesas (R$ 13,332 milhões).

Rio de Janeiro e Minas Gerais estão em segundo e terceiro lugares, respectivamente, entre os estados onde os candidatos mais arrecadaram e gastaram nesses dois meses de campanha. No Rio, os candidatos obtiveram receita de R$ 58,272 milhões e despesa de R$ 37,711 milhões; em Minas, receita de R$ 56,047 milhões e gastos de R$ 34,851 milhões.

Três estados da região norte do país, Acre, Tocantins e Amapá, são as unidades em que os candidatos alcançaram menor despesa e receita. Em primeiro lugar, está o Acre (R$ 5,128 milhões em receitas e R$ 3,415 milhões em despesas), seguido por Tocantins (R$ 8,212 milhões em arrecadação e R$ 4,206 milhões em gastos) e Amapá (R$ R$ 8,752 milhões em receitas e R$ 5,096 milhões em despesas).

Contas independentes
No segundo mês de prestação de contas parcial, não se podem somar os recursos arrecadados pelo candidato com aqueles obtidos pelo comitê financeiro a fim de estimar o total de receitas na campanha até agora. Como o comitê repassa verbas para o candidato e este também pode captar recursos, a soma dos dois relatórios de prestação de contas poderia gerar dupla contagem.

Somente na prestação de contas final, que deve ser obrigatoriamente encaminhada à Justiça Eleitoral até 30 dias após a realização das eleições, é exigida a indicação dos nomes dos doadores e respectivos valores doados. Com a prestação final, portanto, será possível saber o custo exato da campanha eleitoral de cada candidato.

 

 

Terra Redação

Leia Também

OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro