Menu
SADER_FULL
quarta, 23 de junho de 2021
Busca
Brasil

12% das gestações no Brasil têm complicações graves

17 Nov 2009 - 15h27Por Universo Online

De todas as gestações brasileiras, cerca de 12% têm complicações graves, mostram os resultados dos primeiros três meses de um projeto de vigilância epidemiológica que acompanha os partos ocorridos em 27 hospitais-referência do país.

Os dados foram apresentados no 53º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, que termina hoje em Belo Horizonte. O sistema é financiado pelo CNPq e pelo Ministério da Saúde e tem apoio da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Trata-se do primeiro estudo prospectivo -que acompanha os casos à medida que ocorrem- a levar em conta os novos critérios da OMS para complicações graves na gravidez. Essa padronização, que permite comparar a situação em diversos países, foi divulgada oficialmente no mês passado.

No Brasil, as principais complicações são as decorrentes da pressão alta e as hemorragias no pós-parto, além das infecções. Em países desenvolvidos, os maiores problemas acontecem por doenças já existentes, como diabetes ou cardiopatias.

"Até dez anos atrás, o indicador mais importante para medir a saúde materna era a mortalidade. Como o número absoluto de mortes maternas é relativamente pequeno e os programas para reduzir a mortalidade materna no fim da década passada não alcançaram as metas previstas, a OMS viu que seria mais produtivo focar no que ocorre antes da morte: as complicações obstétricas graves", explica José Guilherme Cecatti, professor titular de obstetrícia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e coordenador do projeto brasileiro.

Frequência similar

A frequência de complicações, de 12%, é semelhante à de outros países, mas a mortalidade materna é mais alta no Brasil do que em outras nações, o que sugere que os brasileiros não estão lidando bem com as complicações. Se no Japão ou no Canadá há no máximo dez mortes maternas por 100 mil nascidos vivos, no Brasil o índice é de 70 a 140.

"A gravidez tem complicações na Suécia e em Bangladesh. A proporção é similar, a diferença é a forma como cada país trata esses problemas e o estado de saúde geral da paciente. Uma coisa é tratar uma mulher saudável, outra é tratar uma anêmica", diz Cecatti. Para ele, ao notarem antes o que é um caso grave, os médicos conseguem agir mais rapidamente.

A obstetra Márcia Aquino, diretora de divisão médica da maternidade Leonor Mendes de Barros, em São Paulo, diz que depois os participantes do estudo avaliam o que poderia ter evitado as complicações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JOGOS ONLINE
Expectativas para legalização de jogos de azar movimenta mercado internacional
Policial
Criança de 6 anos sofre trauma de crânio após cair de atração no Beto Carrero World
DOSE ÚNICA
Avião com 1,5 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz ministro
REAÇÃO CERTEIRA
Mulher flagra filha sofrendo estupro e esfaqueia pedófilo
VIOLENCIA DOMESTICA
Menina de 12 anos furta bisavô e leva 10 chibatadas da mãe por ordem do CV
MILIONÁRIO
Aposta única fatura prêmio de R$ 7 milhões da Mega-Sena
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa paga hoje 3ª parcela do auxílio emergencial para nascidos em março
LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai