Menu
PASSARELA
terça, 17 de julho de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Vivo é notificada pela Justiça, mas pode recorrer da decisão

27 Out 2004 - 08h13
A justiça já notificou a maior operadora de celular no Estado, a Vivo. De acordo com a determinação judicial, a empresa fica proibida de habilitar novos aparelhos e obriga a trocar os aparelhos dos clientes por tecnologias mais novas sem custos.


Por enquanto, a determinação só começa a valer quando essa notificação que foi assinada pelo diretor regional da empresa, seja anexada ao processo aberto pela Justiça de Jardim, o que deverá ocorrer em três dias.



A partir daí, a empresa precisa cumprir as determinações: parar de habilitar linhas e iniciar a troca dos aparelhos por tecnologia mais moderna sem custos aos clientes. Mas a empresa ainda pode recorrer dessa decisão.



Na reunião realizada ontem, dos diretores da empresa com o Ministério Público (MP), resultou em se fazer um termo de ajustamento de conduta, um acordo entre o MP e a empresa. Mas isso só vai ser fechado em novembro, quando acontece uma nova reunião. Nesse termo está previsto que a empresa indenize os clientes que tiveram problemas com os serviços.
 
 
TV Morena

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL PELO MUNDO
Real Madrid se recusa a permitir que Vinícius Júnior permaneça no Flamengo até o final de 2018
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Luzia descobre que seu filho com Beto não morreu
CONCURSOS - OPORTUNIDADES
Concurso: 13 órgãos abrem as inscrições para 1,9 mil vagas nesta segunda
FOI SALVAR O MELHOR AMIGO
Jovem morre afogado após pular em rio para tentar salvar cachorro
EDUCAÇÃO - FIES - INSCRIÇÕES
Fies abre inscrições nesta segunda com 155 mil vagas para 2º semestre
BOA NOTICIA
Preço da gasolina nas refinarias cai para R$ 1,997
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Karola vira escrava sexual de Remy
BRIGA DE RUA
Homem morre pendurado em grade
FAMOSIDADES
Luan Santana faz declaração emocionante a Padre Fábio de Mello: ''Obrigada pelos dias maravilhosos''
ARTIGO - DIA DO ROCK
DIA DO ROCK - ARTIGO: 'Há um tempo atrás não muito distante...', por Lucio Gazola