Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 24 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Tostão e Guarany criticam a falta de união entre músicos

10 Ago 2004 - 17h19

O gênero sertanejo foi amplamente enfocado e debatido em palestra realizada pela dupla Tostão e Guarany nessa segunda-feira (9) na Escola Cant'arte Educação Musical, situada à Rua Padre João Crippa, 1.736, Centro. Na ocasião, os palestrantes aproveitaram o momento para discutir, além da música sertaneja, a música regional local e disseram que a expansão dela só não toma proporções gigantescas porque existe uma certa desunião entre os músicos do Estado no sentido de querer caminhar individualmente e não estabelecer parcerias.

Neste contexto, os dois cantores também esclareceram que há exceções. Segundo Guarany, fatos positivos podem ser presenciados com a instalação de escolas de música no Brasil, afinal, as pessoas tem possibilidade de estudar toda a parte teórica da música e saber se realmente têm dom ou não para a música. "Antigamente nós tínhamos de provar que cantávamos. Era na garganta mesmo e não existia essa questão do cantor ter que saber estudar uma partitura e tal (....). Hoje temos faculdades, escolas e isso possibilita que saiam cada vez mais profissionais capacitados. Antes nossa escola era a vida mesmo", diz.

Na palestra direcionada a 15 pessoas, os cantores revelaram que os festivais realizados em outros tempos faziam valer a inserção de músicos bons no mercado fonográfico e simbolizavam a mais legítima expressão de qualidade em termos de composição e melodias. "Hoje em dia a música está banalizada em todos os segmentos.

Antes a música era tratada com maior intensidade e a musicalidade existente nos compositores e cantores era mais aflorada", avalia Tostão. Eles ainda explicam que a música regional feita em Mato Grosso do Sul vende, contudo, não toca nas rádios. "Falta uma maior divulgação de nossas músicas na rádio e acredito que isso faz com que os músicos locais se sintam desvalorizados", explicam os cantores que ainda exemplificam que o último CD da dupla João Haroldo e Betinho vendeu cerca de 60 mil cópias e só não vendeu mais devido a pirataria.

Sobre a pirataria, Guarany comunicou que o Fórum dos Músicos da Região entrou em contato com os vendedores ambulantes e fizeram acordo para que eles não mais vendessem cópias piratas de seus CDs. "Um CD gera um gasto de R$ 18 no mínimo. Nós já vendemos nossos CDs super baratos, ao preço de R$ 10 ou R$ 15. Pirateando, não temos lucro e nosso trabalho de qualidade que está no CD original deixa de ser conferido pelo público", alega.

Influências - Tostão adverte que para ele não existe música sertaneja, mas sim música raiz. O cantor justifica que a música raiz de Mato Grosso do Sul recebefortes influências da cultura dos bolivianos, paraguaios e chilenos. Um gênero muito presente na música raiz sul-mato-grossense é, sem dúvidas, o rasqueado.

A 'palinha' dos cantores ficou por conta das músicas Galopera, Estrada de Chão, Tardes Morenas de Mato Grosso, A Matogrossense, entre outras.

O casal Ceila Rondon e Teodoro Torres não se conteve e arriscou uma dança no meio da sala onde estava sendo realizada a palestra. Ela disse que a palestra foi muito válida e que deu para ampliar seus conhecimentos sobre o gênero sertanejo, ou melhor, raiz.

Para a diretora da Escola, Edineide Dias, a palestra inovou seus conceitos sobre o gênero e também serviu para promover um autoconhecimento entre os músicos e os alunos da Escola e acadêmicos do Curso de Música, além dos participantes de variados segmentos da sociedade e que tinham curiosidade sobre o estilo. "Palestras como estas servem para aprimorar mais nossos conhecimentos musicais", conclui Edineide.

 

 

Fátima News / João Humberto

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico