Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Rio Grande do Sul inicia colheita da safra de trigo

25 Set 2004 - 07h39
Os produtores do Rio Grande do Sul estão iniciando a colheita da safra de trigo 2004, principalmente em municípios das regiões Missões e Noroeste. O levantamento semanal da Emater/RS-Ascar, divulgado nesta sexta-feira (24-09) sobre a situação das culturas, aponta que 1% da lavoura está madura e por colher.

Em sua grande maioria, as fases da cultura são floração (37% da área) e enchimento de grãos (43%). Apesar do aparecimento de doenças fúngicas, típicas de final de ciclo, o quadro geral das lavouras é considerado bom pelos técnicos da Emater/RS-Ascar. As primeiras colheitas têm ficado dentro da expectativa, em torno de dois mil quilos por hectare.

A qualidade também está dentro do esperado, na faixa de pH 78. "As primeiras colheitas ocorrem dentro do período tradicional do Estado", observa o presidente da Emater/RS, Caio Rocha. Esse quadro, lembra ele, indica boa tendência de se confirmar a projeção de produção da safra, de cerca de 2,2 milhões de toneladas.

A Gerência de Classificação e Certificação da Emater/RS-Ascar está auditando o processo de recebimento da safra de trigo 2004 da Cooperativa Tritícola Samborjense Ltda (Cotrisal), de São Borja (RS). Semanalmente, um auditor irá visitar as três unidades de recebimento do cereal - duas em São Borja e uma em Santo Antônio das Missões - para verificar se estão sendo executados os procedimentos definidos pela Cooperativa para o trabalho. A primeira auditoria foi realizada nesta sexta-feira (24-09).

De acordo com o auditor da Emater/RS-Ascar, João Batista Feijó Gomes, a auditoria visa dar transparência à metodologia de trabalho adotada pela Cotrisal no recebimento, oferecendo informações aos produtores sobre o cumprimento dos procedimentos definidos pela Cooperativa para orientar o serviço nesta safra. A Cotrisal tem 1.749 associados e deve receber 500 mil sacos de trigo até o final do mês de outubro, quando se encerra a safra.

Gomes explica que é a primeira vez que esse tipo de auditoria está sendo realizado no processo de recebimento do trigo, mas há experiências anteriores com arroz. "Essa metodologia pode ser aplicada a outros processos, envolvendo outros grãos", destaca.

Arroz:

As chuvas dos últimos dias não foram suficientes para reverter o quadro de falta de água para a irrigação das lavouras de arroz. Em algumas regiões, se observa a tendência de redirecionar áreas mais bem drenadas para o plantio de soja ou mesmo milho no lugar do arroz e, dessa forma, aproveitar os investimentos realizados em preparo e sistematização.

Feijão:

A primeira safra de feijão encontra-se em fase inicial de plantio, sendo que o Médio Alto Uruguai é a zona com maior plantio no momento. A perspectiva de redução de área desta safra é contundente, especialmente nas áreas mais nobres, que deverão dar espaço para a soja. Junta-se a isso, a comercialização das últimas safras que foram desestimulantes aos agricultores em relação ao preço recebido pelo produto. Também está sendo intensificado o plantio de milho.

Regiões produtoras importantes, como Missões, Norte e Planalto, se encontram com expressivas áreas já semeadas, atingindo percentuais que variam de 20% (Planalto) a 60% (Norte). As sementes germinadas se desenvolvem bem e as lavouras apresentam um bom stand inicial.

Criações:

O clima favoreceu o rebrote dos campos que se recuperam após o período de estiagem e também para as pastagens cultivadas, possibilitando inclusive a intensificação dos trabalhos de plantio das pastagens de verão. Com isso, a produção de leite segue aumentando. Já o rebanho bovino de corte está iniciando, lentamente, o processo de recuperação da condição corporal. A sanidade do rebanho é boa, mas já há ocorrência de mosca do chifre devido ao aumento da temperatura. Prossegue o excesso de oferta de animais para abate, em razão da liberação das áreas para o plantio da soja.

A parição dos cordeiros encaminha-se para o final. A produção foi boa e a mortalidade baixa (10% a 15%), uma vez que o clima seco que predominou em julho e agosto beneficiou a espécie. No entanto, as chuvas mais abundantes que ocorreram em setembro, prejudicaram a parição do tarde, aumentando um pouco, os índices de mortalidade nos cordeiros recém paridos.
 
 
Agrolink

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos