Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 20 de agosto de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Presidente do Banco Central terá status de ministro

17 Ago 2004 - 07h21

O governo editou nesta segunda-feira uma medida provisória que dá ao cargo de presidente do Banco Central, uma autarquia, status de ministro, atendendo a pedido do Ministério da Fazenda.

Com essa decisão, o titular do BC ganha foro privilegiado, podendo ser julgado apenas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A medida foi assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final de semana, antes de viajar para a República Dominicana, e já provocou a reação da oposição.

Segundo fontes, a mudança vinha sendo gestada há cerca de quatro meses, mas acabou sendo anunciada após a publicação de uma série de denúncias de irregularidade fiscal contra o presidente do BC, Henrique Meirelles, que negou todas as acusações e afirmou diversas vezes que seus rendimentos têm origem conhecida e foram devidamente tributados.

Para o líder do PFL no Senado, José Agripino (RN), o governo não está sendo hábil politicamente.

"O governo se antecipou na vacina a algo que ele (Meirelles) nem foi condenado. Ao dar foro privilegiado, o governo condena Meirelles de antemão", afirmou à Reuters. "É uma demonstração enorme de inabilidade política. Eu espero que o governo conserte isso", disse.

As comissões de Assuntos Econômicos e a de Fiscalização e Controle do Senado já aprovaram requerimentos convidando Meirelles a prestar esclarecimento. Quando se trata de ministro, as comissões têm a prerrogativa de convocar e não apenas de fazer um convite.

Para o professor Luizinho (PT-SP), líder do governo na Câmara dos Deputados, a decisão "foi acertada e,inclusive, tomada de maneira tardia". Segundo o deputado, todos os países têm suas próprias políticas para o Banco Central.

"No Brasil, não podemos permitir que o presidente do Banco Central seja exposto à violência e ao autoritarismo como no caso da Caixa Econômica Federal, porque põe o país inteiro em risco. Não podemos submeter o BC a grupamentos antidemocráticos", acrescentou. Ao mencionar o caso da Caixa Econômica, o deputado referia-se à operação da Polícia Federal que apreendeu documentos no prédio da instituição, devolvidos mais tarde sob ordem judicial.

Em nota justificando a mudança, o Ministério da Fazenda argumentou que o Banco Central "assumiu nos últimos anos - a exemplo dos bancos centrais de muitos países - importância estratégica em razão da complexidade de suas atribuições".

Segundo a assessoria do BC, Meirelles não iria comentar a alteração por se tratar de uma decisão do Palácio do Planalto.

 

Terra

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGORA DEU MEDO
Velório é interrompido após morto 'apertar' mão da esposa
TRAGEDIA NA RODOVIA
Três pessoas morrem em acidente envolvendo carro e caminhão na BR-277
FATALIDADE
Jovem mulher morre ao levar choque usando o secador de cabelos
ABSURDO - BRASIL
Mulher mata o marido a facadas e leva pênis para a amante dentro de um copo
MORTE E COMOÇÃO
Jovem caminhoneira morre em acidente e comove colegas de toda a região
FACULDADE
Irmãs estudantes de engenharia vendem doces nos trens do Rio para se sustentar
MUITA FUMAÇA
Crianças passam mal em incêndio que dura três dias
VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA
SIAMESAS
Mulher dá à luz gêmeas siamesas de 3,700KG as duas
ACIDENTE DE TRABALHO
Homem morre ao ser puxado por colheitadeira quando fazia limpeza