Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 26 de maio de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Política agrícola do Centro-Oeste é discutida na FAMASUL

22 Mai 2007 - 17h10
Kelly Venturini
 
 
Uma nova estratégia de negociação junto ao governo federal deve ser delineada pelos produtores rurais da região Centro-Oeste depois que os membros da Comissão de Agricultura e a subcomissão de Política Agrícola, Endividamento e Renda da Câmara Federal encerrarem as discussões com a classe produtora dos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.
Uma grande discussão aconteceu na noite de ontem (21) na Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, e reuniu além de produtores, presidentes de Sindicatos e entidades deputados da Bancada Ruralista da Câmara Federal e deputados estaduais representantes da Bancada do Agronegócio de Mato Grosso do Sul.
 
A reunião que foi coordenada pelo presidente da entidade, Ademar Silva Junior, juntamente com o vice-presidente da Comissão de Agricultura da Câmara, deputado federal Waldir Neves (PSDB-MS) colocou em discussão o endividamento da classe produtora e a política do governo federal destinada ao setor entre outros importantes temas.
 
Satisfeito com a ampliação da bancada federal e a presença de tão importantes lideranças do setor, Ademar encaminhou os trabalhos destacando o empenho dos deputados Estaduais que a exemplo da bancada federal buscaram ampliar a representatividade da classe no Estado criando a Frente parlamentar do agronegócio. Segundo Ademar “Essa bancada já está fazendo, e sem duvida alguma, fará ainda mais diferença na busca por soluções para o setor!”. Ademar finalizou destacando ser preocupações da entidade além do endividamento do setor, as questões fundiárias e indígenas.
O vice presidente da Famasul, Eduardo Riedel fez uma breve explanação sobre o endividamento destacando ser este um problema que vem se construindo ao longo dos últimos dez anos, e que depois da securitização e das varias fases atravessadas chega a este momento classificado por ele como ‘critico’.
Surpreso com a chegada do governador André Puccinelli (PMDB), o deputado Waldir Neves interrompeu Riedel para convidar o governador para compor a mesa que se refez logo em seguida.
Riedel concluiu sua participação apresentando os números da divida agrícola no País, e transparências que traziam analises e dados do aumento dos custos de produção nos últimos anos. “Numa situação cambial onde o real tem se valorizado frente ao dólar, nosso produto vem perdendo valor em reais e o custo de produção tem aumentado. A variação de custo do adubo em relação ao ano de 2006 é em media 20% mais caro, e em relação ao ano de 2002, mais de 50%” destacou finalizando com um alerta aos deputados “O fato é que o produtor rural não tem a menor condição de honrar com os seus compromissos este ano... Esta situação já estava prevista desde o ano passado quando da realização das mobilizações que culminaram com a decisão do governo federal de prorrogar as nossas contas nas taxas de juros que estavam em vigência e que só vem aumentando o compromisso do produtor rural”.
Demonstrando o total descontentamento com a forma como o Governo Federal vem trabalhando as questões do setor produtivo o deputado Ronaldo Caiado (DEM/GO), presidente da Subcomissão de Política Agrícola, Endividamento e Renda Rural da Câmara Federal, disse que "este é o momento de cobrar", se referindo ao posicionamento da bancada ruralista.
 
A saída, segundo ele, pode ser trancar a pauta de votação de matérias de interesse da área econômica do governo Lula, como por exemplo, a prorrogação da CPMF, para que as reivindicações, consideradas ‘urgentes’ sejam atendidas ou ‘no mínimo ouvidas’.
 
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), deputado federal Homero Pereira, destacou que o endividamento do setor agropecuário é crescente. "Não queremos fazer lobby. Queremos mostrar a realidade, apenas. Vamos apresentar uma proposta unificada e, se não formos atendidos, vamos realizar um grande movimento... Estamos em assembléia permanente", disse Pereira.

Segundo Pereira, que também coordena a Comissão de Endividamento da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o setor teve uma queda de 46%. Segundo ele só a soja com resultados negativos, em duas safras consecutivas, acumula um prejuízo de mais de R$ 2 bilhões.
 
Os produtores querem reverter esta situação considerando que são responsáveis pelo sucessivo superávit da Balança Comercial. "É a maior transferência de renda do setor produtivo para o setor financeiro que já se viu nos últimos anos no País", constatou.
 
Pereira afirmou ainda que a conta não fecha e é considerada ‘impagável’ pelos produtores. Ele finalizou observando que a dívida do setor em Mato Grosso que vence este ano ultrapassa os R$ 4 bilhões.
 
O deputado federal Luís Carlos Heinz (PP-RS) que é relator da Subcomissão de Política Agrícola, Endividamento e Renda Rural da Câmara Federal iniciou observando a importância da presença e parceria ali estabelecida com o governador André Puccinelli “Seguramente o André é uma pessoa que vai somar muito positivamente nesse processo” destacando a uniãdestacando a univai somar muito positivamente nesse processodo, tuaçagronegas questo de forças das lideranças políticas em torno dos problemas da classe produtora.
 
Heinz destacou a importante participação do deputado Federal Sul Matogrossense Valdemir Moka (PMDB) nas negociações de 2001 que culminaram com a renegociação das dividas agrícolas para pagamento em vinte e cinco anos. “Naquela oportunidade nós acreditávamos que tínhamos acertado a situação da agricultura e que não discutiríamos o assunto, pelo menos, pelos próximos vinte anos ... Suportamos 2001, 2002, 2003, 2004 ... e quando vem 2005 e 2006 já estamos nós falamos em renegociação de novo!”  Heinz observou que mesmo no alto dos seus mais de 30 anos de atuação na área equivocou-se neste caso e que a culpa pela situação atual é da ausência por parte do Governo Lula (PT), de uma política especifica para o setor.
 
O relator concluiu observando que o setor deve colocar pressão no Governo Federal não só em relação as dividas já contraídas, mas também as futuras, condenando as medidas paliativas tomadas pelo presidente Lula até hoje e anuncio ser a data limite para estas discussões o mês de junho, quando inicia-se o plano safra “Temos que contar com a força da união da classe por que o Governo Lula está muito forte e não está ‘nem ai pra nós’” concluiu.
O deputado estadual Reinaldo Azambuja (PSDB-MS), líder da Bancada do Agronegócio no Estado destacou a importância da participação e esclarecimento de posições por parte da Bancada Ruralista e classificou como inédita a participação do Governo do Estado “Muito proveitosa a discussão, inclusive a participação do Governador que nos garantiu que usará de seu prestigio político para reivindicar junto ao Governo Federal uma política agrícola duradoura, que resolva o passivo do endividamento agrícola que ultrapassou nos últimos dois anos os 45 bilhões de reais”.
 
Segundo Azambuja o setor há anos não contabiliza e nem tem perspectivas de ganhos. “O governo federal só vai se sensibilizar quando nos mostrarmos a nossa força... e ontem à união do Governador com a bancada federal e Estadual nós pudemos prever que teremos um resultado positivo em breve” completou o deputado que classifica a crise como sendo de rentabilidade.
 
Reinaldo destacou o posicionamento do Governador do Estado em relação à reivindicação apresentada pela bancada do Agronegócio com referência a pauta fiscal “Recebemos do Governador uma resposta muito positiva... Ele [André Puccinelli] reduziu a pauta e nos garantiu que uma equipe técnica estará se reunindo, a cada trinta dias, com a Famasul para discutir e alinhar esta pauta com o preço real do produto naquele momento, observando de perto sua oscilação, garantindo mais tranqüilidade para o produtor.” No caso de uma oscilação brusca Azambuja explicou que a entidade e o Governo podem adiantar essa reunião mensal e que a frente estará acompanhando as reuniões de perto.
 
Seguindo os tópicos sugeridos pela Famasul quando da primeira reunião da Frente Parlamentar Reinaldo contabiliza um saldo positivo até o momento. “Estamos tendo ótimos resultados

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - VISITA ILUSTRE
Em Bonito (MS), Miss Brasil Júlia Horta destaca 'A energia daqui é inexplicável'
COISA DE DOIDO
Sucuri ataca bombeiro durante resgate em SP; assista!
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano
FEMINICIDIO
Mulher é morta com 75 facadas pelo ex-marido após 25 anos de casamento
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
'Peguei meu filho e achei que estivesse morto', diz mãe de criança dopada em creche
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Confira o que tá na promoção que vai até este sábado no O Boticário em Fátima do Sul
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Visite Bonito (MS) na baixa temporada, saiba o porquê!
FÁTIMA DO SUL - TRATAMENTO COACH
De Nova Andradina, Vanessa recupera autoestima com tratamento 'Coach' Célia Tenório de Fátima do Sul
CASA BOCA SUJA
morador instala placas com palavrões nos muros de casa
MACABRO
Mulher é encontrada morta ao lado de uma oferenda