Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 15 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

PF prende policial militar de MS por facilitar contrabando

17 Abr 2007 - 13h50

A Polícia Federal prendeu nesta manhã o sargento Alfredo Turman, da PMA (Polícia Militar Ambiental) de Mundo Novo acusado de integrar esquema de quadrilhas de contrabando de mercadorias na Operação Cobra d´água no Paraná. O sargento do Estado é acusado de receber pagamento de propina, já freqüentemente apreendia diversas embarcações com contrabando no Rio Paraná e exigia dinheiro para liberá-las e não prender o piloto do barco.

Segundo a Polícia, ele atuava em conjunto com Ede Luiz de Souza, que informava quais embarcações estavam cobertas pelo acerto prévio entre eles e quais deveriam ser abordadas para a prática de extorsão, estas normalmente eram das quadrilhas concorrentes de Ede e seu sócio Clair.

De acordo com a Polícia de Guairá (PR), esta é a maior operação já feita no Brasil para o combate ao contrabando e ao descaminho de mercadorias trazidas do Paraguai por meio fluvial. Desde as 6h, cerca de 280 policiais federais cumpriram mais de 100 mandados com ordens de prisões e de busca e apreensão que partiram da Vara Especializada em Crime Organizado da Justiça Federal em Curitiba. As prisões e buscas ocorrem nas cidades paranaenses de Guaíra, Altônia, Umuarama, Loanda, Goioerê e Tuneiras do Oeste , bem como no município de Mundo Novo (MS).

Conforme a PF, são seis quadrilhas desbaratadas ao mesmo tempo, cujos membros das facções criminosas se ajudavam mutuamente no contrabando pelas águas do lago de Itaipu/Rio Paraná e rodovias dos Estados do Paraná e São Paulo, inclusive mantendo vigilância compartilhada da movimentação dos barcos e viaturas da Polícia Federal. Foi apurado que, quase todo o cigarro, produtos eletrônicos e confecções navegavam pelo lado de Itaipú/Rio Paraná e eram descarregados em propriedades no município de Altônia, nas margens do Rio Paraná ou Rio Piquiri, seguindo dali por rodovias até os clientes receptadores, que encomendavam as mercadorias inclusive pela Internet, por meio de programas de mensagens instantâneas, o que até facilitou as investigações da Polícia Federal.

Também aparecem como membros da quadrilha Valdemir de Souza Lima, o “Costela”, Roberto Donizete Ramalho, o “ Bertão”, Fabian Soares de Oliveira, o “Jamanta” e um Paraguaio de nome Mário Cuevas, que seria o dono de uma fazenda na região de Salto del Guairá, Paraguai, onde o cigarro era carregado em barcos e transportado até o território brasileiro. Também há indícios de que eram utilizadas empresas para disfarçar a atividade criminosa e também para a lavagem de dinheiro, com sede nas cidades de Umuarama (PR) e Londa (PR).

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros
DICAS DE SERVIÇO DE HOSPEDAGEM NA WEB
Vai criar um blog ou um site?, saiba aqui tudo sobre o serviço de hospedagem
ALERTA NA NET
Golpe no WhatsApp engana usuários ao prometer brindes falsos de Natal