Menu
PASSARELA
quinta, 21 de junho de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Peixe dá show, acaba com tabu e fica perto do bicampeonato

13 Dez 2004 - 09h27
Vingança. Depois de cair de quatro e ser eliminado pelo Azulão nas semifinais do Paulistão, o Peixe foi ao ABC neste domingo precisando desesperadamente da vitória para continuar na briga pelo bicampeonato brasileiro. Sem dar bola para o tabu de nunca ter batido o Azulão em Brasileiros, o Peixe deu um verdadeiro show e fez 3 a 0, com sobras.

Com a vitória e a derrota do Furacão para o Vasco em São Januário, o Peixe reassumiu a ponta do Brasileirão e agora pode ser campeão até mesmo se perder para o Vasco, domingo em São José do Rio Preto. Para isso, torcerá apenas para que o Atlético-PR não vença o Botafogo na Arena da Baixada. Uma vitória simples do Peixe dá a taça ao time da Vila, independentemente do que aconteça na partida dos paranaenses.

O jogo: Com Elano de volta ao meio-campo, o Santos ganhou em criatividade, e começou a partida deste domingo em cima do São Caetano. Logo no primeiro ataque, Basílio, Preto Casagrande e Paulo César tentaram de longe, mas a bola explodiu sempre na zaga, nem chegando a assustar Silvio Luiz.

Susto quem levou foi o goleiro Mauro e a torcida do Peixe, quando, aos dois minutos, Warley recebeu belo passe de Marcinho, passou por Avalos e bateu forte, à direita do gol santista.

Depois de tentar furar o bloqueio do Azulão com seguidos cruzamentos para a área, e só chegar perto do gol com uma cabeçada de Basílio, em cima de Silvio Luiz, o Santos voltou a deixar sua torcida de cabelos em pé.

Aos 16 minutos, Lúcio Flávio cobrou falta da esquerda, Paulo Miranda desviou de cabeça e Marcos Aurélio completou, também de cabeça, para o fundo do gol de Mauro, mas a auxiliar Ana Paula Oliveira estragou a festa, marcando impedimento do zagueiro.

O Santos sofria para escapar da forte marcação do São Caetano e ainda dava sopa para o azar. Aos 22 minutos, Lúcio Flávio cobrou falta com maestria, mas acertou o poste esquerdo de Mauro.

Quando o gol do São Caetano parecia maduro, o Santos abriu o placar. Aos 31, a zaga do Azulão falhou feio, e a bola sobrou limpa para Elano encher o pé e explodir a galera santista, maioria absoluta nas arquibancadas do Anacleto Campanella.

O gol trouxe a calma de volta ao Peixe, que passou a jogar nos contra-ataques e quase ampliou novamente com Elano aos 38, mas a bola chtada forte pela direita desviou na zaga e saiu em escanteio.

O São Caetano continuou assustando somente nas bolas paradas. Na última, aos 46 minutos, Lúcio Flávio não teve a mesma sorte das outras oportunidades e carimbou a barreira santista. O Santos desceu para os vestiários como líder do Brasileirão.

Show dentro e fora de campo: Com Ricardo Bóvio no lugar de Preto Casagrande, machucado, o Peixe voltou para os 45 minutos finais a todo vapor, e por pouco não ampliou logo aos dois minutos, após Paulo César cruzar fechado e obrigar Silvio Luiz a fazer difícil defesa.

O primeiro lance da etapa final foi um prenúncio do que estava por vir. Soberano, o Santos fez o que quis em campo e deu um verdadeiro baile no time da casa, levando à loucura os torcedores que invadiram o Anacleto Campanella.

Aos cinco minutos, após lindo lançamento de Elano, Deivid fez o pivô e atrasou a bola para Léo, que invadiu a área e foi derrubado por Marcos Aurélio. Pênalti indiscutível, que Ricardinho cobrou com perfeição: 2 a 0 Peixe. O gol de Ricardinho foi o centésimo do Peixe neste Brasileirão.

Aos 13 minutos, Basílio foi lançado em profundidade e tentou encobrir Silvio Luiz, mas errou o alvo por muito e perdeu a chance de matar o jogo. Depois deste lance, o técnico Péricles Chamusca mudou o São Caetano, sacando o zagueiro Marcos Aurélio para a entrada do meia ofensivo Éder.

A alteração não teve tempo para surtir efeito. Aos 16 minutos, enquanto o árbitro trombava com um jogador do Azulão e rolava no gramado, Léo recebia pela esquerda e cruzava na medida para Basílio desviar de Silvio Luiz e se redimir: 3 a 0.

Um minuto depois, as arquibancadas do Anacleto explodiram novamente de alegria com o anúncio do gol de Henrique, que colocou o Vasco na frente do Atlético-PR em São Januário e praticamente consolidou o Peixe como novo líder da competição.

Nos 20 minutos finais, o Peixe continuou soberano, mas tirou um pouco o pé do acelerador, criando menos chances para ampliar. O São Caetano continuou limitado às cobranças de falta, mas com Marcinho, não levou perigo ao gol de Mauro.

Tocando a bola de pé em pé, o Santos levantou a torcida aos 38, depois que Ricardinho achou Deivid livre na área para ampliar, mas o gol não saiu graças à coragem de Silvio Luiz, que dividiu com o artilheiro e mandou a bola para escanteio. Na cobrança, após a confusão, Avalos girou e bateu por cima do travessão, com perigo.

Aos gritos de olé, o Peixe irritou o São Caetano, e acabou provocando a expulsão de Marcelo Mattos. Com um a mais, ficou ainda mais fácil. Aí foi só aguardar o apito final do árbitro e explodir definitivamente. O Santos está mais perto do que nunca do bicampeonato brasileiro.

 

Gazeta Esportiva

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Terceiro homem que assediou russa na Copa diz que “estão transformando um copo d’água em uma tempestade”
‘Alta Pressão’
Exército deflagra Operação para fiscalizar armamento e reduzir desvios para o comércio ilegal
COLÉGIO DELPHOS - BOLSAS DE ESTUDOS
Colégio Delphos Nota 10 oferece provas para bolsas de estudos neste sábado em Dourados
UNIPAR - EAD - DOURADOS
Unipar EAD com pós-graduação e 25 cursos a distância com mensalidade acessíveis agora em Dourados
PENSÃO ALIMENTÍCIA
Genro de Silvio Santos é procurado por Policia Federal após mandado de prisão
APOCALIPSE
Arthur (Junno Andrade) fala na TV do ataque ao navio de fugitivos e das consequências da erupção de
POLÊMICA
Projeto quer liberar venda direta de etanol das usinas aos postos
FÁTIMA DO SUL - ESTRUTURA NOVA
Fátima do Sul terá um novo conceito de lojas Cacau Show, AGUARDEM!!!
DOURADOS - ITALÍNEA MÓVEIS PLANEJADOS
Em Dourados, Italínea Móveis Planejados dá dicas para deixar sua casa pronta para o inverno
APOCALIPSE
Ricardo (Sérgio Marone) autoriza que um navio de fugitivos seja bombardeado