Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 23 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

PDT homologa candidatura de Dagoberto dia 27 mesmo diante risco

17 Jun 2010 - 06h11Por Conjuntura Online

Em Mato Grosso do Sul, o único político que corre risco de ficar inelegível por causa da lei Ficha Limpa é o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT).

Dagoberto poderá ficar impedido de concorrer às eleições para o Senado, uma vez que foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado por improbidade administrativa quando era diretor-presidente do Detran/MS (Departamento Nacional de Transito) na gestão do governador Zeca do PT.

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcante, garante que a lei atinge qualquer político condenado por um órgão colegiado da Justiça, mesmo que a condenação tenha ocorrido antes da lei ser sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva.

A explicação do presidente foi feita no mesmo dia em que foi publicada uma reportagem do jornal O Globo, em que os presidentes dos principais Tribunais Regionais Eleitorais afirmam que a lei abrange condenações anteriores.

"Seria surreal se a lei não alcançasse os já condenados, pois ela veio para moralizar, para estabelecer uma nova ordem", disse.

Segundo ele, os partidos têm que aproveitar essa "onda e surfar" nela para limpar os seus quadros dos políticos que têm ficha suja.

"Ficou muito claro para toda a sociedade brasileira que o Brasil inaugura um novo momento na política brasileira, em que a ética prevalece sobre todos os demais aspectos. Nós precisamos ter em consideração, agora, é que essa lei tem um efeito pedagógico, um efeito didático e vai apontar para que os partidos também tenham critérios mais rigorosos na escolha de seus candidatos", disse.

Segundo Ophir, a nova lei representa "uma vitória no combate à corrupção no mundo político".

Disputa

Dagoberto disputa a vaga na chapa de Zeca do PT, juntamente com o senador Delcídio do Amaral (PT). Outra alternativa para o Senado é o deputado federal Waldemir Moka (PMDB).

Questionado constantemente pela imprensa da Capital, o deputado se diz tranquilo em relação sua candidatura ao Senado. Segundo ele, o fato de o TSE (Tribunal Superior Eleitoral ) ter decidido no dia 10 deste mês, que a lei Ficha Limpa vale para este ano, não é prejudicial a sua candidatura, cuja oficialização acontecerá no dia 27, durante a realização da convenção regional do PDT.

Ele esclarece que está recorrendo ao STF (Supremo Tribunal Federal ), ao STJ (Superior Tribunal de Justiça ) e ao próprio Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul para derrubar a decisão do TJ-MS, que o condenou ao pagamento de multa no valor de R$ 1,3 milhão por suposto uso de propaganda institucional para promoção pessoal.

“O meu objetivo foi o de informar a população sobre a implantação da Lei Seca, sua eficácia e como funcionaria, por isso, em minha opinião, não fiz nada de errado. O uso de foto foi necessário no informativo para reforçar que a Câmara de Vereadores da Capital estava decidindo algo importante para a cidade”, enfatizou.

Por considerar que a pena aplicada pelo TJ foi injusta e, ainda, desproporcional ao dano, Dagoberto protocolou recurso extraordinário no STF e recurso especial no STJ.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRÔNICA DA SEMANA
CRÔNICA DA SEMANA: 'Precisamos redescobrir o Brasil', por Luciano Gazola
CRUELDADE
Criança tinha o pênis amarrado com elástico e era torturada pelo pai e a madrasta
MORTE TRÁGICA
Adolescente de 13 anos morre após sofrer queda de bicicleta
ESTAVA FORAGIDO
Homem que matou esposa na Sexta-feira Santa morre em acidente 03 dias depois
FEMINICIDIO
Advogada é assassinada a facadas por marido após discussão
100 LUZ
Giselle Itié lamenta a morte de outro ex-namorado em apenas três meses
CENSURADO
Video com ataques de Olavo a Militares é excluido das Redes de Bolsonaro
DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle, do ‘Programa Raul Gil’, se suicida após depressão
FATALIDADE
Bebê morre após ser esquecida pelo pai por três horas dentro do carro
IRRESPONSABILIDADE
Bebê de 1 aninho entra em coma alcoólico após pai dar cachaça com refrigerante