Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 18 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Para PF, Coronel Ivan era líder de máfia dos caça-níqueis

11 Jun 2007 - 07h54

Ex-comandante-geral da PM de Mato Grosso do Sul no governo de Zeca do PT (1999 a 2006), o deputado estadual coronel José Ivan de Almeida (PSB) é apontado pela PF como um dos líderes da máfia dos caça-níqueis, desmontada na Operação Xeque-Mate no início da semana passada.

O coronel Ivan aparece em conversa telefônica, gravada no dia 2 de março, dizendo ser dono de 12 máquinas e ter R$ 100 mil a receber de operadores do jogo. Reclama que recebeu apenas R$ 2.500 em 20 dias.

A PF ressalta no relatório, ao qual a Folha teve acesso, que o coronel não foi investigado pois tem foro privilegiado por ser deputado estadual.

Os procuradores da República Jerusa Burmann Viecili, Lauro Coelho Júnior e Pedro Paulo Grubits Gonçalves de Oliveira enviaram à Procuradoria Regional da 3ª Região, em São Paulo, a parte do inquérito que trata do coronel Ivan.

Na investigação que culminou na Operação Xeque-Mate, a PF apontou que a máfia dos caça-níqueis era formada por cinco organizações criminosas.

A segunda organização era liderada por Ari Silas Portugal, Hércules Mandetta Neto (presos na operação) e o coronel, que teriam participado de "atividades ilícitas de exploração de jogos de azar". Já a primeira organização era liderada pelo empresário de jogos Nilton Cézar Servo, candidato derrotado a deputado federal pelo PSB. Ele aparecia em santinhos junto com o coronel Ivan.

Além do negócio de caça-níqueis, o deputado queria interferir na PM. Durante as investigações, no dia 21 de fevereiro, a PF gravou uma conversa entre Portugal e um oficial da PM identificado como Calixto.

Na conversa, Ari diz que o coronel planejava derrubar do cargo o atual comandante da PM, coronel Geraldo Garcia Orti.
"O José Ivan passou uma informação para nós importantíssima. Estão armando uma casinha para ele [Orti] cair", diz Portugal.

Alguns dias depois, em março, Ivan brigou por telefone com Portugal, insatisfeito por ter recebido em 20 dias R$ 2.500 do negócio dos caça-níqueis. "Quero que você devolva as 12 máquinas que são minhas, o restante não quero nem saber", diz o coronel. "Ari, se você for fazer as contas, sério, eu tenho mais de R$ 100 mil para receber de vocês."

Outro lado – A reportagem deixou dois recados no celular do deputado, mas ele não retornou até o encerramento da edição.

Folha de S.Paulo

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto