Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

MT recorre para não dobrar pensão de Pedro Pedrossian

12 Mai 2007 - 10h15

O governo de Mato Grosso recorreu à Justiça para não pagar ao ex-governador Pedro Pedrossian, que já governou Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, e a outros três ex-governadores o dobro da pensão vitalícia que eles recebem atualmente. Hoje, o valor é de R$ 11 mil, teto do Executivo estadual e salário do atual governador, Blairo Maggi (PR), sendo que, com o reajuste, o salário dos ex-governadores subiria para R$ 24 mil, igual ao que é pago os desembargadores do TJ/MT (Tribunal de Justiça de Mato Grosso), já incluindo auxilio moradia e adicional por tempo de serviço.

A duplicação do benefício foi permitida por decisão da Justiça, acatando pedido dos ex-governadores Pedro Pedrossian (1966-1971), José Fragelli (1971-1975), José Garcia Neto (1975-1979) e Júlio Campos, (1983-1986), que hoje é conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado). No entanto, a PGE (Procuradoria Geral do Estado) recorreu da decisão e, como o recurso tem efeito suspensivo, o montante não está sendo pago.

Os quatro resolveram entrar na Justiça depois que o ex-governador Frederico de Campos teve o direito reconhecido pelo TJ/MT em 2006, mas, nesse caso, como o governo não conseguiu suspender o pagamento no tribunal, ingressou com recurso no STJ (Superior Tribunal de Justiça), mas a medida não teve efeito suspensivo. Assim, desde janeiro Campos recebe o benefício em dobro.

No recurso de embargo de declaração, cujo relator é o desembargador Evandro Stábile, Pedrossian pede que , após a pensão ser reajustada, o governo do Mato Grosso faça o pagamento retroativo da diferença de janeiro de 2005 a janeiro de 2006. Pedrossian já recebe pensão vitalícia no valor de R$ 22,1 mil pago pelo governo de Mato Grosso do Sul e, caso vença a batalha judicial, deve obter salário mensal de R$ 46,1 mil, incluindo os dois benefícios.

Os quatro ex-governadores do Mato Grosso ainda pedem a prisão do secretário estadual de Administração do Estado vizinho, Geraldo de Vitto, alegando que já existem mandos judiciais favoráveis ao reajuste, mas o governo resiste à idéia. Hoje o Estado de Mato Grosso já paga pensão vitalícia há dez ex-governadores e cinco parentes de ex-governadores já mortos.

Um caso é o de Dante de Oliveira, morto em junho do ano passado, cuja mulher é deputada federal é deve receber salário de R$ 16 mil como parlamentar. Jayme Campos, irmão de Júlio, recebe como senador e ex-governador, enquanto o deputado federal Carlos Bezerra (PMDB/MT), também acumula salários, recebendo como deputado federal e como ex-governador.

A última a engrossar a lista dos ex-governantes pagos com pensão vitalícia e mensal é a ex-vice-governadora Iraci França, mulher do deputado estadual Roberto França, ambos do PR. Ela exerceu o cargo de governadora por 40 dias, durante viagens feitas pelo governador Maggi, entre 2003 e 2006, sendo que terá direito a R$ 11 mil mensais para o resto da vida. Uma emenda à Constituição de Mato Grosso, feita em 1978, criou o pagamento de aposentadoria vitalícia a ex-governadores. A lei beneficiava também o vice desde que ele assumisse o cargo e assinado alguma medida governamental.

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico