Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 25 de janeiro de 2020
SADER_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

MS ainda não recebeu recursos para sanidade animal

14 Jul 2004 - 10h43

Apesar de ter R$ 112 milhões previstos no orçamento da União para investir na defesa sanitária este ano, o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) conseguiu gastar, até junho, apenas uma pequena parcela desse dinheiro e, pior, ainda não destinou nada para Mato Grosso do Sul. A informação é do presidente do Fefa/MS (Fundo Emergencial da Febre Aftosa de Mato Grosso do Sul), Laucídio Coelho Neto, alertando que essa falta de recursos pode comprometer o combate à febre aftosa no Estado.

Conforme Laucídio Neto, Mato Grosso do Sul recebeu da União apenas R$ 1,2 milhão para investir na defesa sanitária de uma previsão de R$ 5 milhões e, mesmo assim, no mês de dezembro. Este ano, explica o presidente do Fefa/MS, já estamos em julho e nenhum real foi liberado para o governo do Estado investir no setor. “Estamos em cima da linha, podendo cair a qualquer momento”, alerta o pecuarista, informando que a defesa sanitária no Estado está sobrevivendo graças aos R$ 100 mil arrecadados mensalmente pelo Fefa/MS.

Ele revela que Mato Grosso do Sul precisaria de pelo menos R$ 14 milhões por ano, mas R$ 5 milhões já ajudaria no combate, principalmente, da aftosa. “Sem esse dinheiro a qualidade do serviço de defesa sanitária cai sensivelmente, pois sem a verba falta dinheiro para pagar viagens e diárias dos médicos-veterinários que cuidam da fronteira seca do Estado com Bolívia e Paraguai”, explica.

Com a criação da OMC (Organização Mundial do Comércio), a capacidade dos países de usarem barreiras tarifárias para impedirem importações foi reduzida, mas restaram as barreiras fitossanitárias e o baixo investimento por parte do governo brasileiro nessa área torna o País vulnerável. Hoje o Mapa conta com um número ainda reduzido de fiscais e, atualmente, o ministério tem cerca de dois mil funcionários nessa área, sendo que seriam necessários pelo menos mais 795.

Os problemas com a soja brasileira na China e com a carne bovina nacional na Rússia e Argentina devido ao foco de febre aftosa no Pará são exemplos de situações que mais verbas e uma estrutura de fiscalização melhor poderiam ter evitado, mas não é apenas a falta de orçamento que atrapalha a Agricultura. Até junho deste ano, por exemplo, apenas 3,24% ou R$ 292 mil do total de recursos previstos no programa para a erradicação da febre aftosa tinham de fato sido gastos.

O Mapa afirma que a lenta execução de alguns programas se deve aos limites mensais de despesas impostos pelo Tesouro Nacional. A pasta, que conta com R$ 663 milhões para custeio e investimento, pode gastar no máximo R$ 48 milhões por mês, entre março e novembro, enquanto em dezembro o limite sobe para R$ 140 milhões. Além de ter parte de seus recursos bloqueados para serem gastos apenas no fim do ano, o limite de gasto mensal inclui as despesas com restos a pagar do ano passado, que somam R$ 112 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUPERAÇÃO
Ser diagnosticado 5 vezes com câncer em 15 anos não foi capaz de parar campeão paralímpico
SUSTO
Palco de Gusttavo Lima pega fogo durante show em Pernambuco
É MUITO PLÁSTICO
Brasil produz mais de 11 milhões de toneladas de lixo plástico
CASOS RAROS
Duas crianças morrem em uma semana, após sofrer AVC, preocupa classe médica
REALITY SHOW 2020
Participante do BBB20, médica sugeriu que mataria Dilma “em seu plantão”
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Três crianças morrem e uma mulher fica ferida durante incêndio em casarão
ESPORTE 2020
Opção de 'Cashout' atrai apostadores iniciantes
FUTEBOL 2020
Coritiba anuncia novo patrocinador máster para 2020
DOENÇA INFECCIOSA
Presos que estavam sendo 'comidos vivos' por doença são internados
HABITAÇÃO
Prefeita troca carnaval por doação de 52 moradias populares e ajuda a famílias carentes