Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Jornalistas discutem Conselho e cobertura política

17 Set 2004 - 15h19
A relação entre a mídia e o Poder Legislativo foi debatida hoje no ciclo de palestras sobre o Parlamento Brasileiro promovido pelo Congresso para jornalistas. Na abertura do evento, o presidente do Senado, José Sarney, classificou a proposta de criação do Conselho de Jornalismo como "um momento de infelicidade". Em sua avaliação, o Conselho não deve prosperar.
Nos debates de ontem, o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, disse que o Governo errou ao enviar à Casa a proposta de criação do Conselho Federal de Jornalismo sem antes discuti-la com o Legislativo e com as entidades envolvidas.
As jornalistas Eliane Cantanhêde, do jornal Folha de S. Paulo, e Tereza Cruvinel, de O Globo, que participaram das palestras de hoje, também se posicionaram em relação à criação do Conselho. Tereza concordou com o presidente João Paulo Cunha. “O Governo se equivocou em mandar o projeto para o Congresso sem um debate prévio. Com sua mentalidade sindical, o Governo achou que a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) representava a classe, o que não ocorre”, explicou.
Eliane disse que um olhar externo sobre o jornalismo não a incomoda, mas sim a criação de uma autarquia sob a responsabilidade do Governo. “Nós queremos um jornalismo independente”, concluiu.

Cobertura superficial
Eliane Cantanhêde e Tereza Cruvinel fizeram um “mea culpa” e criticaram a forma com que a cobertura do Congresso Nacional é feita. “Nós não descutimos temas que estão sendo debatidos no Congresso, mas sim brigas políticas e plenário vazio, esquecendo os assuntos que são importantes para a nossa sociedade”, disse Cantanhêde, acrescentando que o Congresso é muito mais que o Plenário. “Esse mundo é muito maior do que o Plenário. Mais do que questões políticas, estamos discutindo a lei”, enfatizou.
Para Tereza Cruvinel, Imprensa e Parlamento são complementares. “É através dos meios de comunicação que a população pode ter uma sintonia com os seus representantes”, disse. Assim como Eliane, Tereza apontou como o principal erro do jornalismo político o foco no jogo político e não na atividade-fim do Congresso. Em sua opinião, outros desvios de cobertura são a fiscalização mais intensa no Legislativo que nos demais poderes, o foco na elite parlamentar e o enfoque governista.
Eliane fez ainda uma crítica ao Governo: “o governo do PT tem uma dificuldade enorme de conviver com a Imprensa”, afirmou, referindo-se às críticas de denuncismo que Imprensa sofre. A jornalista destacou ainda a blindagem que o Governo também quer impor aos funcionários públicos. “Os funcionários públicos não devem servir ao governo de plantão, mas sim à democracia”.
 
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos