Menu
SADER_FULL
sábado, 17 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Incra quer apurar desvio de cestas básicas pelo MST

30 Mar 2007 - 17h50
O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) encaminhou à Polícia Federal um pedido para que apure as denúncias de desvio de cestas básicas destinados a acampamentos da reforma agrária na região do Pontal do Paranapanema, no oeste de São Paulo.

Na quarta-feira, o prefeito de Sandovalina, Divaldo Pereira de Oliveira (PSDB), acusou militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e funcionários do Incra de estarem vendendo as cestas, doadas pelo governo federal para distribuição gratuita, por R$ 10.

O pedido de investigação, encaminhado à Polícia Federal de Presidente Prudente, foi feito pela superintendência regional do Incra em São Paulo. Ela é dirigida por Raimundo Pires da Silva, um dos nomes que estão sendo cotados para assumir a direção nacional do instituto.

De acordo com nota distribuída na quinta pela assessoria do superintendente, “o Incra zelará pela transparência e rapidez na averiguação do caso, acompanhando o processo policial e tomando as providências de sua competência”.

A região do Pontal concentra grande número de assentamentos da reforma agrária e também de acampamentos de sem-terra. Segundo o prefeito de Sandovalina, caminhões com as cestas básicas destinadas aos acampados foram vistos nas duas últimas semanas descarregando suas cargas nas casas de pessoas ligadas ao Incra e ao MST. Ele disse que soube do problema por meio de informações de moradores da cidade, que levaram cestas compradas à prefeitura.

“Muitos moradores compraram estas cestas”, disse o prefeito, segundo informações do repórter Chico Siqueira. “Alguns chegaram a comprar até dez, porque estão baratas; cada cesta custa entre R$ 30 e R$ 40 nos mercados.”

A liderança do MST na região disse desconhecer o suposto desvio, mas ressalvou que o prefeito deveria denunciar o fato às autoridades. “A polícia deve encontrar e prender os responsáveis”, disse José Rainha Júnior, o líder mais influente entre os sem-terra no Pontal. Para ele, “desviar e vender patrimônio do povo deve ser crime com pena de cadeia”.

Ainda segundo Rainha, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) não entrega as cestas nos acampamentos.

O prefeito de Sandovalina disse que denunciou o caso à Secretaria da Justiça e ao Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp), sem ter obtido resposta. Na ocasião em que resolveu denunciar publicamente o suposto desvio, ele mostrou pacotes de açúcar que disse ter retirado das cestas encaminhadas à prefeitura. Neles consta a inscrição: “Produto destinado à doação do Programa Fome Zero. Proibida a venda.”

 

 

 

Dourados Agora

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto