Menu
SADER_FULL
domingo, 18 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Gravação cita propina a prefeito do Mato Grosso

18 Mai 2007 - 17h41

O prefeito de Sinop (MT), Nilson Aparecido Leitão (PSDB), preso pela Polícia Federal na Operação Navalha, é citado por funcionários da construtora Gautama em gravações telefônicas como beneficiário de propina no valor de R$ 200 mil.

Na próxima quarta-feira (23), a prefeitura iria assinar a liberação de um empréstimo com o BNDES para a construção de uma rede de esgoto no município. A obra, orçada em cerca de R$ 40 milhões, seria realizada pela Gautama, que faz parte do consórcio de empresas que venceu a licitação.

O procurador jurídico da prefeitura, Astor Reinheimer, afirma que Leitão é inocente. “Ele é uma pessoa muito humilde. Não é apegado a bens materiais”, disse. Segundo ele, a gravação não pode servir como prova contra o prefeito, que nas investigações da Polícia Federal (PF) aparece em uma gravação em vídeo feita nos dias 20 e 21 de março deste ano em Brasília.

O procurador conta que Leitão visitava ministérios para apresentar a documentação da obra e tentar acelerar o processo de liberação das verbas. Na sala de ginástica do hotel, encontrou-se com o proprietário da Gautama, Zuleido Soares de Veras. De acordo com o procurador, o encontro não incrimina o prefeito. 

Ainda segundo Reinheimer, o pedido de prisão contra o prefeito foi embasado pelo depoimento de um agente da Polícia Federal (PF) que também seguiu os passos de Jair Pessine, ex-secretário de Desenvolvimento Urbano de Sinop, em Brasília.

 

Pessine teria ido ao escritório da construtora e saído de lá com uma sacola preta, dentro da qual supostamente haveria uma quantia em dinheiro endereçada ao prefeito. O ex-secretário e o prefeito teriam voltado a Mato Grosso no mesmo vôo.
 
“Posso assegurar que não há nenhuma prova robusta, clara, de que ele tenha recebido ou pedido propina”, disse o procurador. “A concorrência foi homologada, publicada nos órgãos de imprensa”, argumentou, ressaltando que no processo não consta nenhuma denúncia contra o processo licitatório.

O advogado Cláudio Alves, que defende o ex-secretário Jair Pessine, afirma que não houve irregularidade no processo de licitação e alegou que os recursos do BNDES destinados à obra sequer foram liberados. Alves informou ainda que Pessine se desligou da prefeitura em janeiro e que não teve envolvimento em nenhuma irregularidade.

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto