Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 20 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Gravação cita propina a prefeito do Mato Grosso

18 Mai 2007 - 17h41

O prefeito de Sinop (MT), Nilson Aparecido Leitão (PSDB), preso pela Polícia Federal na Operação Navalha, é citado por funcionários da construtora Gautama em gravações telefônicas como beneficiário de propina no valor de R$ 200 mil.

Na próxima quarta-feira (23), a prefeitura iria assinar a liberação de um empréstimo com o BNDES para a construção de uma rede de esgoto no município. A obra, orçada em cerca de R$ 40 milhões, seria realizada pela Gautama, que faz parte do consórcio de empresas que venceu a licitação.

O procurador jurídico da prefeitura, Astor Reinheimer, afirma que Leitão é inocente. “Ele é uma pessoa muito humilde. Não é apegado a bens materiais”, disse. Segundo ele, a gravação não pode servir como prova contra o prefeito, que nas investigações da Polícia Federal (PF) aparece em uma gravação em vídeo feita nos dias 20 e 21 de março deste ano em Brasília.

O procurador conta que Leitão visitava ministérios para apresentar a documentação da obra e tentar acelerar o processo de liberação das verbas. Na sala de ginástica do hotel, encontrou-se com o proprietário da Gautama, Zuleido Soares de Veras. De acordo com o procurador, o encontro não incrimina o prefeito. 

Ainda segundo Reinheimer, o pedido de prisão contra o prefeito foi embasado pelo depoimento de um agente da Polícia Federal (PF) que também seguiu os passos de Jair Pessine, ex-secretário de Desenvolvimento Urbano de Sinop, em Brasília.

 

Pessine teria ido ao escritório da construtora e saído de lá com uma sacola preta, dentro da qual supostamente haveria uma quantia em dinheiro endereçada ao prefeito. O ex-secretário e o prefeito teriam voltado a Mato Grosso no mesmo vôo.
 
“Posso assegurar que não há nenhuma prova robusta, clara, de que ele tenha recebido ou pedido propina”, disse o procurador. “A concorrência foi homologada, publicada nos órgãos de imprensa”, argumentou, ressaltando que no processo não consta nenhuma denúncia contra o processo licitatório.

O advogado Cláudio Alves, que defende o ex-secretário Jair Pessine, afirma que não houve irregularidade no processo de licitação e alegou que os recursos do BNDES destinados à obra sequer foram liberados. Alves informou ainda que Pessine se desligou da prefeitura em janeiro e que não teve envolvimento em nenhuma irregularidade.

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos